nsc
hora_de_sc

Preocupação

"A casa treme toda vez que a onda bate", desabafa moradora após erosão no Morro das Pedras, em Florianópolis

Agitação marítima volta a preocupar a partir de quarta-feira (9)

08/06/2021 - 05h01 - Atualizada em: 08/06/2021 - 15h44

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Ondas estouram na areia sob as casas e colocam estrutura e famílias em risco
Ondas estouram na areia sob as casas e colocam estrutura e famílias em risco
(Foto: )

A maré alta prevista a partir da próxima quarta-feira (9), em Florianópolis, pode agravar a erosão no Morro das Pedras, no Sul da Ilha de SC, onde 11 propriedades foram interditadas por risco de desabamento. Sacos de contenção são adicionados diariamente na beira da praia para minimizar o desgaste da estrutura e evitar novos desmoronamentos. Medo, prejuízos e preocupação estão entre os relatos de pessoas que residem na região.

Moradora da área afetada pela erosão, Cinthia Sens diz que, assim como ela, quase todas as outras famílias não saíram das residências por não terem outro lugar para ficar. E, enquanto esperam por uma solução definitiva, se arriscam diariamente para reabastecer as sacolas de areia, esvaziadas com a força do mar. 

- Todos os moradores passam por isso. É desesperador. E a cada dia tem uma previsão diferente, de maré que vai subir, de ressaca. E se for como ocorreu no outro fim de semana (último de maio), vai ser terrível - lamenta. 

Contenção de areia é feita em frente às dunas que sustentam as casas
Contenção de areia é feita em frente às dunas que sustentam as casas
(Foto: )

A moradora conta que no último fim de semana de maio (dias 29 e 30), as ondas se formavam sobre a costa e estouravam em cima das sacolas de areia, o que balançava as casas, sustentadas pelas dunas.

- A casa treme toda vez que a onda bate na areia, embaixo. E com a vibração a areia vai caindo, a sustentação das casas vai desmoronando e a gente fica nessa saga diária: encher bags (sacolas), esperar a onda bater e levar a areia e refazer a muralha. É uma conta infinita - desabafa a moradora.

"Cada minuto que passa é um terror"

Cinthia Sens disse que já perdeu sete metros do terreno e R$ 20 mil entre bags, areia e mão de obra. Ela, no entanto, preocupa-se mais com os vizinhos, entre eles pescadores, idosos e pessoas doentes, que estão em piores condições.

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

- A minha casa é um pouco mais recuada, mas os moradores vizinhos aqui infelizmente não estão na mesma condição. E cada minuto que passa é um terror, porque a casa deles pode desabar e levar as (residências) de ambos os lados juntos pra baixo. É um trauma terrível - confessa. 

Previsão é de ondas de até 3 metros na próxima quarta

Segundo o gerente de Operação e Assistência da Defesa Civil de Florianópolis, Alexandre Vieira, o mar deu trégua à região entre a segunda (7) e esta terça-feira (8), mas a situação volta a preocupar no meio da semana, quando as ondas podem alcançar até 3 metros de altura.

Praia desapareceu sob o mar no Morro das Pedras
Praia desapareceu com avanço do mar no Morro das Pedras
(Foto: )

- Na quarta e na quinta-feira as previsões não são tão boas. Há elevação do mar, maré alta, com empilhamento de água na costa brasileira e, com isso, possibilidade de alagamentos próximo à costa e em alguns pontos dentro da cidade - alerta. 

Entre as edificações interditadas, três delas estão mais críticas, de acordo com o órgão: são casas e têm a água batendo na escarpa erosiva. As demais áreas são decks de madeira, lazer e piscina. Além disso, outras três propriedades foram notificadas e poderão ser fechadas para uso se os riscos aumentarem. 

Em uma semana, apenas, a área afetada pela erosão dobrou: passou de 200 metros para cerca de 400 metros.​ A faixa de areia foi encoberta pela água e a praia desapareceu. Foram contabilizados, ao menos, nove desabamentos - muros, árvores e postes. Os materiais que desabaram continuam encobertos pela água.

- Continua a recomendação para que a população não adentre naquele local isolado na praia, que continua submerso. Há pontos de ferro, pedra, árvores, madeira, entre outros materiais na praia, que podem machucar - orienta Vieira.

Na última sexta-feira (4), a prefeitura de Florianópolis reforçou a extensa contenção da duna frontal com sacos de areia (bags). Vídeo gravado pelo fotógrafo do Hora de SC, Diórgenes Pandini, flagrou as fortes ondas que dificultaram a atuação dos trabalhadores. 

Assista abaixo:

> Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Colunistas