nsc
dc

Alta nos preços

Alta no preço da carne faz catarinenses optarem por cortes mais baratos, dizem entidades

Costela, miúdos e contra-filé são a atual preferência dos consumidores devido ao aumento nos preços

29/10/2021 - 18h15

Compartilhe

Por Luana Amorim
Catarinense continua consumindo carne, mas o tipo de produto mudou, segundo as entidades
Catarinense continua consumindo carne, mas o tipo de produto mudou, segundo as entidades
(Foto: )

O aumento no preço das carnes no últimos meses tem impactado diretamente no consumo dos catarinenses. Antes, se a preferência era por cortes nobres, atualmente, os consumidores têm buscado alimentos mais baratos, de costela a paleta e carne moída. Um impacto que, segundo as entidades do setor, ainda terá resquícios no próximo ano. 

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

De acordo com uma pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), houve um aumento na procura de carnes de segunda e terceira em açougues e estabelecimentos do país. A partir de agosto, 34,6% dos consumidores preferiram esse tipo de produto, enquanto 28,8% da população foi em busca dos pedaços mais nobres. 

Um exemplo é se comparar o preço da picanha com a da costela. Enquanto a primeira custa entre R$ 80 a 100 o quilo, a costela pode ser encontrada a R$ 25 - uma subsituição que gera uma economia de 75%. 

Para Miguel do Valle, diretor de um frigorífico de Santa Catarina, essa mudança no padrão de consumo vem ocorrendo desde outubro do ano passado. Primeiro, o consumidor procurou as carnes mais baratas, como de porco ou frango, mas como também houve aumento no preço desses produtos, o catarinense teve que optar por outros cortes. 

— A pessoa que comia frango todos os dias agora está intercalando. Aquele que comia um corte mais nobre, agora está preferindo os miúdos — enfatiza. 

Ou seja, mesmo com o preço, o catarinense não tem deixado de consumir a proteína, mas sim outros tipos. Entre os mais procurados estão a costela, a parte dianteira do boi, contra-filé, carne moída e a paleta, que são mais baratos. 

Isto também tem acontecido como forma de intercalar a ingestão da proteína, ou seja, o consumidor busca outras alternativa após "enjoar" daquela que vem consumindo. 

> SC vai congelar ICMS sobre combustíveis por 90 dias após decisão nacional

Outros atrativos também têm sido as embalagens prontas, segundo o presidente da Associação Catarinense de Supermercados (Acats), Francisco Crestani.

— Atualmente alguns frigoríficos têm vendido a carne de segunda congelada e embalada. O cliente que compra esse produto uma vez acaba voltando para esse tipo de carne, já que se ele adquire um quilo de carne moída, ali vai ter um quilo — diz.

Baixa no consumo impacta frigoríficos 

A mudança no hábito de consumo dos catarinenses também impacta diretamente na produção. Isto porque quanto menos carne menos animais são abatidos, o que acaba represando a matéria-prima de produção.

— A pandemia impactou muito. Tiveram pessoas que perderam o posto de trabalho, começaram a trabalhar de casa, e isso fez com que o consumo diminuísse. Além disso, também deixaram de acontecer as festinhas e reuniões familiares, que também representavam um consumo muito grande de carne — explica Miguel do Valle, diretor de um frigorífico em Santa Catarina.

Por isso, o setor acredita que a retomada só deva acontecer no próximo ano. Enquanto isso, o consumidor deve continuar sentindo os impactos no preço da carne. 

— Até você engrenar [as linhas de produção], tem uma demora e isso impacta negativamente tanto nos preços quanto nos produtos — finaliza.  

> ​Preço médio da gasolina passa de R$ 6 em pelo menos 13 cidades de SC; veja lista

É possível um novo aumento de preço? 

Para o presidente da Acats, Francisco Crestani, existe sim a possibilidade de um novo aumento nos preços. Um dos motivos que podem influenciar isso, além do dólar, é a exportação dos produtos.

— Se não abrir a exportação, o preço deve ficar mais estável ou até baixar. Mas se abrir, a tendência é que tenha um novo reajuste, principalmente nos cortes mais nobres — pontua. 

Leia também: 

Santa Catarina tem uma nova empresa bilionária

Homeschooling em SC: veja regras do projeto que prevê ensino em casa

Grande volume de granizo atinge cidades de SC; veja fotos e vídeos

Colunistas