nsc
nsc

Clube do bilhão

Santa Catarina tem uma nova empresa bilionária

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
27/10/2021 - 09h14 - Atualizada em: 30/10/2021 - 08h14
Colaboradores da Lunelli celebraram nesta terça a marca histórica alcançada
Colaboradores da Lunelli celebraram nesta terça a marca histórica alcançada (Foto: Divulgação)

Santa Catarina tem uma nova empresa bilionária. A têxtil Lunelli, com sede em Guaramirim, atingiu a marca de R$ 1 bilhão em faturamento bruto nos primeiros dez meses de 2021. É a primeira vez que a companhia rompe a barreira do bilhão – o melhor resultado até então havia sido em 2019, quando a receita operacional somou R$ 891 milhões. Um ato simbólico nas unidades da empresa nesta terça-feira (26) celebrou um feito que é para poucos.

> Quais são as empresas bilionárias de Santa Catarina

— É um número que a gente vinha buscando e construindo ao longo da nossa trajetória — comemora Viviane Lunelli, diretora administrativa e financeira do grupo, que credita o desempenho à “confiança que ao longo do tempo o mercado vem depositando na gente”.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

Como ainda há um restinho de chão pela frente em 2021, e o Natal é uma data relevante em vendas para o mercado de moda, essa conta ainda vai subir. Viviane estima encerrar o ano com faturamento próximo de R$ 1,2 bilhão, o que representaria um crescimento de 35% frente ao resultado de 2019. Já há carteira garantida que sustenta essa projeção, diz a executiva.

Com 40 anos de estrada, a Lunelli tem 16 unidades operacionais – fábricas em Santa Catarina, uma delas em Luiz Alves, no Vale, São Paulo, Ceará e Paraguai – e 4,6 mil funcionários. O grupo atua nos segmentos feminino, masculino, infantil e de malha em rolo com as marcas Lunender, Hangar 33, Alakazoo, Lunelli Malhas e Tecidos, Fico e Graphene, além da Lez a Lez, que tem uma rede de 37 lojas, entre próprias e franquias. A robustez do negócio permitiu à empresa suportar melhor os abalos provocados pela crise desencadeada pelo coronavírus. Mas a agilidade na hora de agir também contou.

A Lunelli foi uma das primeiras grandes empresas do ramo a conceder férias coletivas aos colaboradores, praticamente de forma simultânea ao decreto de emergência baixado pelo governo de Santa Catarina, em 17 de março de 2020. A primeira preocupação foi garantir a saúde dos funcionários. Quatro dias depois, a empresa, conta Viviane, já tinha desenhado um plano de contingência pensado em preservar e reforçar o caixa. Com a cadeia produtiva afetada por paralisações, houve negociações intensas com fornecedores e clientes.

— Durante o período pandêmico, a gente foi muito rápido em tomar ações — avalia a executiva.

Sede do Grupo Lunelli em Guaramirim: empresa tem 16 unidades operacionais
Sede do Grupo Lunelli em Guaramirim: empresa tem 16 unidades operacionais
(Foto: )

Passado o período de maior turbulência, que incluiu redução de jornada e salários, a Lunelli colhe os frutos. O desempenho financeiro histórico já acumulado em 2021 se deve a alguns fatores, considera Viviane. Havia demanda reprimida de consumo, mas a empresa, que atua principalmente em canais multimarca – são 16 mil clientes ativos em todo o Brasil –, soube preencher lacunas deixadas por fornecedores que tiveram mais dificuldades de manter capital e capacidade de entrega ou que acabaram encolhendo na crise, acrescenta a diretora.

— Não é uma coisa ou outra, é um conjunto de fatores. Tem demanda reprimida, mas existe um trabalho que não é de um ano para o outro — resume.

Por ora, os planos de expansão futura serão sustentados com a estrutura operacional já existente, com investimentos planejados para modernizar o parque fabril e acelerar o crescimento do portfólio de marcas. Embora o canal de e-commerce do grupo venha ganhando espaço, a aposta seguirá mais concentrada no varejo físico. No mercado de moda, ainda pesam muito fatores como modelagem e experiência sensorial do consumidor, diz Viviane.

No ano em que a Lunelli completa quatro décadas, devem ser produzidas aproximadamente 25 milhões de peças de confecção. Oito milhões de quilos de malhas e tecidos acabados devem ser comercializados.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Leia também

Cooper se prepara para entrar no atacarejo

Fundo que investiu no Burger King vai acelerar expansão de empresa de Blumenau

Festival Brasileiro da Cerveja dentro da Vila Germânica ainda depende do “sim” da saúde​

Calçadão Brueckheimer em Blumenau pode ganhar cobertura

Ponto do antigo Butiquin Wollstein em Blumenau dá lugar à cafeteria de rede gaúcha

Condomínio de luxo em Gaspar terá quase 30 mil m² de lagos artificiais​​​​

Projeto prevê restaurante em terreno com casa histórica no Centro de Blumenau​​

50 propagandas antigas de Blumenau que parecem estranhas, mas que já fizeram sentido

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas