A caça irregular e desenfreada, as mudanças naturais de habitat ou a dificuldade para se adaptar às evoluções naturais da Terra. Diversos são os motivos que podem levar uma espécie à redução ou até mesmo o total desaparecimento.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do Hora no Google Notícias

Além disso, temos também aqueles animais recém-chegados, que foram descobertos a muito pouco tempo pelos cientistas e ainda estamos respondendo às clássicas perguntas sobre eles: “Onde vivem? O que comem? Onde moram?”.

Seja qual for o motivo, existem animais que parecem como as lendas do unicórnio dourado ou o pé-grande, sendo quase impossíveis de serem localizados por sua raridade.

Agora, vamos agir como exploradores da natureza e entender onde estão os animais mais raros do mundo e os motivos que levaram eles a serem tão difíceis de encontrar.

Continua depois da publicidade

Coloque o chapéu e comece a busca!

Conheça cada um dos animais mais raros do mundo

Vaquita-Marinha

A Vaquita-Marinha é um mamífero marinho da infraordem dos cetáceos, a mesma dos golfinhos, sendo a menor espécie dessa ordem, medindo entre 1,2 a 1,5 metros.

Ela vive exclusivamente na região do Golfo da Califórnia no México. Porém, pela primeira vez, em 2023, a Comissão Baleeira Internacional declarou que a espécie
e está em alerta de extinção. É estimado que existam, no máximo, 10 vaquitas vivas atualmente.

A principal causa da morte da espécie é a caça ilegal na região com uso de redes de emalhar.

Axolote

O axolote, ou salamandra mexicana, é um dos animais mais fofos e encantadores dessa lista. Além disso, a espécie é de muita importância no México, sendo um símbolo tradicional do país e considerado um Patrimônio Mundial pela Unesco.

Continua depois da publicidade

Apesar de todo esse carinho e relevância, o axolote também vive um delicado processo de ameaça de extinção. O que era muito fácil de encontrar em diversos rios e lagos da Cidade do México, agora se tornou cada vez mais raro e difícil.

Além da caça e tráfico irregulares, a poluição, perda de habitat e predação natural de carpas são os grandes motivos que estão fazendo o axolote desaparecer.

Leopardo-de-amur

Uma espécie que vem sobrevivendo à extinção desde 1996, quando foi colocado na lista de Criticamente Em Perigo de Extinção pela UICN, o leopardo-de-amur encabeça a lista dos animais mais raros de serem encontrados em todo o mundo.

Essa subespécie é original da região de Amur, que fica entre o oriente da Rússia e o norte da China. Devido aos diversos processos de proteção em reservas nos locais, o leopardo teve um grande aumento da sua população, sendo estimado que hoje tenha mais de 100 animais vivos.

Continua depois da publicidade

O principal motivo é caça ilegal para retirada e comercialização da sua pele que é extremamente valiosa.

Addax

O addax é um dos antílopes mais peculiares e fascinantes para serem estudados pelo seu comportamento. Por exemplo, o rebanho de cinco a vinte integrantes é sempre liderado pela fêmea mais velha.

Infelizmente, é mais uma específica que está vivendo a triste ameaça de extinção nos próximos anos. Antigamente, era muito comum ver addax dominando os desertos de diversos países africanos. Contudo, hoje, eles podem ser localizados, em sua maioria, em uma reserva natural no Níger.

Os motivos da sua potencial extinsão é a caça ilegal, o alto número de atropelamentos na região e a alteração do seu habitat pela ação humana.

Continua depois da publicidade

Segundo o último levantamento, sem contar os que vivem em cativeiros, é estimado que existam menos de 100 adultos libertos e livres na natureza.

Urso-de-Gobi

O uso-de-Gobi é localizado no deserto de Gobi, na Mongólia, e se enquadra como uma subespécie do urso pardo.

Eles são bem menores, quando comparados aos outros tipos de ursos. Além disso, segundo os últimos levantamentos, existem menos de 40 animais da espécie no mundo, sendo extremamente raros de serem localizados na natureza.

O principal motivo do seu desaparecimento é o impacto que o forte processo de mineração causou em seu habitat natural.

Continua depois da publicidade

Lobo-vermelho

O lobo-vermelho vive uma curiosa e triste história de extinção e reintegração ao seu habitat natural.

Em 1980, a espécie chegou a ser declarada como extinta da natureza, não podendo mais ser encontrada animais do tipo no seu território. Porém, alguns anos depois, o governo estadunidense reintroduziu a espécie na Carolina do Norte. Isso, causou um grande desagrado junto aos proprietários de terra da região que consideravam os animais uma ameaça ao seu gado.

Ao longo dos anos, por conta da caça como forma de controle de predadores e expansão territorial que alterou seu habitat, o lobo-vermelho voltou a sofrer com problemas de extinção.

Hoje, cerca de 15 lobos vivem na natureza e um pouco mais de 200 mantidos vivos em cativeiros.

Gorila-do-rio-cross

Os gorilas-do-rio-cross são considerados a espécie de gorila mais rara e difícil de ver em todo o mundo.

Um dos motivos, claro, é que esses primatas estão ameaçados de extinção há alguns anos. O motivo disso é a caça ilegal na região.

É estimado que exista um pouco mais de 300 indivíduos adultos e vivos entre a Nigéria e Camarões. Contudo, por conta de alguns últimos registros e um forte processo de conservação do habitat natural dos gorilas-do-rio-cross, os cientistas estão animados e esperançosos que a espécie tenha um amplo crescimento nos próximos anos.

Musaranho-elefante

E para fechar a lista, uma espécie que foi considerada extinta por mais de 50 anos e voltou a aparecer em um pequeno grupo de 12 indivíduos, em 2019.

O simpático musaranho-elefante, um mamífero pequeno que chama atenção pela sua tromba, que muito se assemelha com um elefante, utilizado para comer formigas.

Após anos desaparecido, a espécie voltou a ser encontrada em 2019, na região de Djibouti, na África, em um pequeno grupo de 12 indivíduos.

Leia mais

A lista que revela as cobras mais venenosas do mundo

Mancenilheira: a verdadeira árvore do fruto “proibido”

Por que chamamos os animais de “pets”?

Destaques do NSC Total