Depois de bater a mesma marca em junho, julho, agosto, setembro e outubro deste ano, o novembro de 2023 também foi o mais quente já registrado para o mês, de acordo com o observatório europeu Copernicus. Os cientistas divulgaram os dados sobre a crise climática e os recordes de calor na Terra nessa quarta-feira (6), prevendo ainda que 2023 será o ano mais quente da história do planeta.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

— As extraordinárias temperaturas globais de novembro, incluindo dois dias mais quentes do que 2ºC acima do período pré-industrial, significam que 2023 é o ano mais quente já registrado na história — destacou Samantha Burgess, vice-diretora do Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus (C3S).

Ainda de acordo com o observatório, novembro de 2023 foi o mais quente já registrado globalmente para o período porque teve uma temperatura média do ar de superfície de 14,22°C, ou seja, 0,85°C acima da média de novembro entre 1991 e 2020 e 0,32°C acima do novembro mais quente anterior, em 2020.

2023 deve ser o ano mais quente da história, mas 2024 pode superar a marca

Continua depois da publicidade

Além disso, a temperatura média para o período de janeiro a novembro deste ano foi 0,13°C mais alta do que a média para o mesmo período em 2016, atualmente o ano mais quente registrado.

Lista de recordes globais de calor em 2023

A marca de temperatura de novembro se soma à lista de recordes globais de calor deste ano:

Continua depois da publicidade

  • Além disso, o número de dias que ultrapassou o limiar de aquecimento politicamente significativo de 1,5ºC já atingiu um novo máximo, muito antes do final do ano.
  • Além disso, julho foi tão quente que pode ter sido o mês mais quente em 120 mil anos, enquanto as temperaturas médias de setembro quebraram o recorde anterior em 0,5°C.

Confira a charge de Zé Dassilva sobre o aquecimento global

Chargista satiriza a onda de calor que atingiu o Brasil em novembro deste ano (Foto: Charge Zé Dassilva)

Leia também

Florianópolis vai ferver com ondas de calor até 2050

Continua depois da publicidade

Verão de 2024 em Santa Catarina será com chuvas e calor acima da média

Mortes por calor extremo podem aumentar quase cinco vezes até 2050, alerta novo estudo

Destaques do NSC Total