nsc
dc

Imunização

Anvisa aprova uso emergencial de novas doses da CoronaVac feitas no Brasil

Butantan tem 4,8 milhões de doses em estoque que, agora, poderão ser distribuídas

22/01/2021 - 15h54 - Atualizada em: 22/01/2021 - 16h07

Compartilhe

Lucas
Por Lucas Paraizo
Doses da CoronaVac
Liberação vale para todas as doses da CoronaVac feitas em São Paulo pelo Butantan
(Foto: )

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta sexta-feira (22) à tarde o uso emergencial de mais 4,8 milhões de doses da vacina CoronaVac. A decisão da diretoria da Anvisa foi por unanimidade.

> Vacinas da AstraZeneca podem ser distribuídas aos estados neste sábado, diz Bolsonaro

Agora, ficam liberadas para uso também as doses da CoronaVac produzidas no Brasil, pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. A liberação anterior, que permitiu o início da vacinação contra a covid-19 no Brasil nos últimos dias, era para as doses importadas da CoronaVac, fabricadas na China.

> Astrazeneca e CoronaVac: as diferenças entre as vacinas da covid-19 em SC

O Butantan tem atualmente 4,8 milhões de doses em estoque que, agora, poderão ser distribuidas e aplicadas. A autorização da Anvisa vale para todos os novos lotes da CoronaVac produzidos em São Paulo.

Na reunião, os diretores da Anvisa voltaram a utilizar argumentos que embasaram a primeiro autorização, no último domingo (17). O gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da agência, Gustavo Mendes, ressaltou que não existem "alternativas terapêuticas" contra a covid-19.

O novo pedido foi protocolado pelo Butantan na segunda-feira (18), e se refere às primeiras doses da vacina produzidas no Brasil.

Relatora do processo, a diretora Meiruze Freitas sugeriu que a autorização seja estendida a mais doses fabricadas pelo Butantan, desde que haja comunicação prévia à Anvisa. "Manifesto pela eventual aprovação de eventuais novos pedidos, nos moldes já aprovados até o momento", disse.

A posição foi seguida pelos demais diretores, que frisaram que os dados avaliados permitem a aprovação da vacina.

"Ressalvadas algumas incertezas, os benefícios conhecidos da vacina superam os riscos. A vacina fabricada atende aos critérios de qualidade, segurança e eficácia para o uso emergencial", disse Freitas.

A Anvisa também aprovou usar, no novo processo, o mesmo termo de compromisso já tido pré-requisito para autorização das doses anteriores. Com o termo, o Butantan se compromete a fornecer dados que faltaram na análise, como informações sobre o total de anticorpos gerados com a vacina nos dois primeiros meses de análise.

Leia também

Por dentro de um laboratório de produção de vacina

Quem são e como estão passando os três primeiros vacinados contra Covid-19 em SC

Vacina contra a Covid-19: quem pode ou não tomar

Quando serei vacinado contra a Covid-19 em Santa Catarina?

Colunistas