nsc
    hora_de_sc

    Vandalismo

    Após farmácia, sítio e casa de vereadores de Florianópolis são alvo de vandalismo, diz prefeitura

    Novos alvos foram sítio do presidente da Câmara, Roberto Katumi Oda (PSD), e casa do vereador Dalmo Meneses (DEM), segundo prefeitura da Capital

    23/01/2021 - 10h34 - Atualizada em: 24/01/2021 - 20h59

    Compartilhe

    Redação
    Por Redação Hora
    sirene, polícia
    Atos de vandalismo são investigados pela polícia
    (Foto: )

    Novos atos de vandalismo contra imóveis de vereadores foram registrados em Florianópolis, informou neste sábado (23) a prefeitura da Capital. O último deles, durante a madrugada, ocorreu em um sítio do presidente da Câmara de Vereadores, Roberto Katumi Oda (PSD). Segundo a prefeitura, houve uma tentativa de atear fogo no portão do imóvel.

    > Receba notícias de Florianópolis e região no seu WhatsApp

    Ainda segundo a prefeitura, na quinta-feira (21), um artefato explosivo foi arremessado contra a casa do vereador Dalmo Meneses (DEM). O parlamentar registrou boletim de ocorrência. Os dois casos se somam ao ataque à farmácia do vereador Renato da Farmácia (PSDB), líder do governo na Câmara. O estabelecimento teve a vidraça estilhaçada no início da noite de quarta-feira (20). O caso é investigado pela Polícia Civil.

    Os atos de vandalismo ocorrem em meio à tramitação da reforma administrativa proposta pelo prefeito Gean Loureiro (DEM). O texto prevê mudanças como a terceirização do serviços de coletiva de lixo de Florianópolis, o que motiva greve dos trabalhadores da Comcap, autarquia responsável pela limpeza pública e a coleta de lixo na Capital catarinense. A votação do projeto está prevista para segunda-feira (25).

    Além dos imóveis dos vereadores, a Prefeitura de Florianópolis também informou que caminhões foram depredados dentro do pátio da Comcap, no bairro Itacorubi, e relatou ainda a destruição do vidro da porta do prédio da prefeitura durante uma manifestação dos trabalhadores.

    > Polícia Civil busca identificar suspeitos de vandalismo em farmácia de vereador

    “Todos os fatos estão sendo repassados ao Tribunal de Justiça e aos órgãos policiais pela procuradoria do município”, informou ainda a prefeitura.

    O Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal em Florianópolis (Sintrasem), que representa os trabalhadores da Comcap, nega ligação com atos de vandalismo.

    Em nota divulgada durante a semana, a direção do Sintrasem afirmou desconhecer "qualquer ação do tipo" e que "todas as ações do sindicato são públicas". A categoria disse que "atitudes de desespero, quando ocorrem, são fruto da violência contra os trabalhadores da Comcap e suas famílias, ainda mais em meio a uma pandemia".

    > Greve da Comcap: entenda quais as mudanças nos benefícios dos servidores

    Os trabalhadores da Comcap paralisaram as atividades na segunda-feira (18). Na quinta (21), os servidores realizaram um protesto e fecharam a ponte Pedro Ivo Campos, que dá acesso à Ilha de Santa Catarina. Os serviços de coletiva de lixo estão sendo realizados por uma empresa contratada pela prefeitura.

    Na noite desta sexta-feira (22), Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ-SC) determinou o bloqueio de R$ 200 mil nas contas Sintrasem, alegando o descumprimento de decisões judiciais que proíbem tumulto e bloqueio de espaços públicos e obrigam que os servidores da Comcap retornem ao trabalho.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas