nsc
santa

Crime

Arsenal de guerra e drogas: dupla de Itajaí é presa a caminho de favela no RJ

Um dos criminosos tentou fugir e atropelou quatro pessoas; duas delas morreram

10/11/2021 - 17h45

Compartilhe

Talita
Por Talita Catie
Material estava numa Fiorino e foi recolhido pela Polícia Civil do Rio de Janeiro
Material estava numa Fiorino e foi recolhido pela Polícia Civil do Rio de Janeiro
(Foto: )

Dois homens foram presos nesta terça-feira (9) a caminho de uma favela no Rio de Janeiro carregando um verdadeiro arsenal de guerra e mais meia tonelada de drogas. Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a dupla saiu de Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina, para entregar a mercadoria em uma favela fluminense.

> Receba notícias de todo o Vale do Itajaí direto no Whatsapp.

De acordo com a PRF, durante uma blitz na Rodovia Presidente Dutra, a Fiorino em que estava um dos homens não respeitou a ordem de parada. Houve perseguição e o utilitário com todo o armamento acabou atingido quatro pessoas que esperavam o ônibus no acostamento da rodovia. Duas delas morreram. 

Dentro do veículo a polícia encontrou 35 pistolas calibre 9mm, dois fuzis calibre 762, quatro fuzis calibre 556, 100 munições calibre 45, 75 carregadores de calibres diversos e cerca de 570 quilos de maconha.

O motorista da Fiorino acabou indo parar dentro de uma vala com o automóvel, mas mesmo assim ainda tentou fugir a pé pelo mato. Ele foi capturado e, segundo a polícia, disse que era motorista de aplicativo e receberia R$ 8 mil para fazer o transporte da carga.

O segundo preso estava um Logan também abordado pela PRF. O motorista teria admitido estar atuando como batedor da Fiorino.

A dupla, os veículos, drogas e armamentos foram encaminhados à Coordenadoria de Recursos Especiais da Polícia Civil do Rio de Janeiro.

Leia também

> Balneário Camboriú sobe para 3º lugar entre os imóveis mais caros do Brasil após alargamento

> Criança é abandonada em praia de Balneário Camboriú; tio é o principal suspeito

> Moradores suplicam por passarela em ponto da BR-470 onde mulheres morreram atropeladas

Colunistas