nsc
dc

Impactos da pandemia

Artistas de circo enfrentam dificuldades por falta de público e bilheteria em SC

Circo tenta sobreviver com doações depois de interromper as atividades durante a pandemia

28/03/2021 - 09h35

Compartilhe

Hassan
Por Hassan Farias
Circo está sem público e enfrenta dificuldades durante a pandemia em SC
Circo está sem público e enfrenta dificuldades durante a pandemia em SC
(Foto: )

A pandemia tem gerado impactos para diversos setores em Santa Catarina, inclusive para os artistas de circo que costumam passar pelo Estado. Comemorado no último sábado (27), o Dia Nacional do Circo não foi festejado como queriam os profissionais, com público cheio e muitas risadas.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

Com a impossibilidade de realizar eventos com aglomerações, os circos ficaram sem renda durante a pandemia. No sábado, a NSC TV e o G1 SC contaram a história do Circo Rakmer, que ergueu as tendas pela última vez em Criciúma, no Sul de Santa Catarina.

Desde a chegada do grupo no município, em dezembro do ano passado, os artistas tiveram que lidar com diversas dificuldades. Para ajudar a abrigar os trailers dos artistas e as carretas que levam a estrutura do circo, a prefeitura cedeu um pátio ao lado do Ginásio Municipal de Esportes Irmão Walmir Antônio Orsi. O circo vai ocupar a área a partir da terça-feira (30).

- Eu venho lutando desde o começo da pandemia para não fechar o circo. Eu fiz live, drive in, diminui a quantidade de público, coloquei ingressos a R$ 5, coloquei crianças de graça, eu faço qualquer coisa para o meu circo não fechar - disse o proprietário Jeferson Rakmer à NSC TV.

> Bolsonaro edita MP para reduzir impacto da pandemia na cultura e turismo

O circo funcionou durante dois meses em 2021 com público reduzido devido ao limite de 25% de ocupação em eventos. Até então, conseguia se manter, mas depois foi necessário parar os espetáculos por causa dos decretos restritivos de finais de semana.

- Tive que vender pertences para conseguir arcar com as nossas despesas até aqui. A população nos forneceu alimentos, inclusive, estamos ajudando mais cinco circos que também estão nesta situação na região, agora que não precisamos pagar aluguel, só temos a agradecer - afirma Jeferson.

> Santa Catarina tem 101 mortes por coronavírus confirmadas em 24h

Circo vai receber espaço em um pátio cedido pela prefeitura de Criciúma
Circo vai receber espaço em um pátio cedido pela prefeitura de Criciúma
(Foto: )

Espetáculos gratuitos para retribuir o apoio

O proprietário pretende realizar alguns espetáculos gratuitos na região depois que a cidade sair da situação gravíssima para a Covid-19.

- Depois que tudo isso melhorar, quero fazer apresentações para pessoas em vulnerabilidade social da cidade, como forma de retribuir todo o apoio da população e da prefeitura - disse Rakmer.

> Painel do Coronavírus: veja em mapa e dados por cidade como está a situação da pandemia

O circo tem 40 adultos e dez crianças. O grupo é composto por pessoas de diferentes estados, que possui contorcionistas, trapezistas, acrobatas, malabaristas, palhaços e equipes de administração, manutenção e montagem.

Enquanto as apresentações não são retomadas, a equipe tenta sobreviver com doações, vendas de bolas em semáforos, fazendo fretes com os caminhões que possuem na frota e também tentam vender os carros. 

- Não era o que eu queria, não sou só eu. Eu sei que tem muita gente necessitada, mas eu sou uma dessas pessoas nesse momento que está precisando - lamentou.

Leia também

> Após Xuxa sugerir teste de remédios em presos, juiz de Joinville critica apresentadora

> Irmãos de Joinville morrem por Covid-19 no mesmo dia

Colunistas