O assassino que matou quatro crianças no Cantinho Bom Pastor, em Blumenau, no início deste mês planejava atacar creches perto da casa dele, mas mudou de ideia porque os “muros das unidades eram altos”. A informação foi dada pelo próprio criminoso em depoimento à Polícia Civil, que divulgou detalhes do caso na tarde desta segunda-feira (17) durante coletiva de imprensa.

Receba notícias do Vale do Itajaí direto no WhatsApp

O delegado Rodrigo Raitez conta que foi possível traçar uma cronologia das ações do assassino naquela manhã de 5 de abril. Ele teria saído de casa por volta das 8h03min e ido em direção a duas unidades de ensino — uma particular e outra pública. O criminoso ficou por cerca de 2 minutos no local e cogitou atacar as creches que ficam ali.

Por que o assassino da creche em Blumenau não foi investigado por esfaquear o padrasto

Como considerou os muros muito altos, conforme a polícia, o agressor teria mudado os planos e foi a uma academia, na Itoupava Seca, onde treinou e chegou a pagar a mensalidade. Ao sair, às 8h39min, embarcou novamente na moto, e seguiu em direção ao bairro Velha. Imagens mostram que ele manobra o veículo perto da creche, desce e se estica. Depois sobe na motocicleta e para na calçada em frente ao Cantinho.

Continua depois da publicidade

Operação em 5 estados cumpre mandados contra ataques a escolas

— Ele olha por cima do muro e daí volta para a moto, onde pega a machadinha e um canivete no baú, pula por cima do muro, de 1,65 metro de altura, e 20 segundos depois, sai pelo mesmo lugar — conta o delegado Rodrigo Raitez. Nesse curto intervalo de tempo, ele matou quatro crianças e feriu outras cinco.

Polícia detalha rota de assassino e esclarece ataque a creche com 4 mortos em Blumenau; veja a coletiva na íntegra

Após o assassinato, o homem faz o retorno pela Rua dos Caçadores sentido bairro e dá um balão até chegar na Rua Almirante Barroso, onde para em um posto de combustíveis, compra uma garrafa de água e um cigarro. Cerca de 2 minutos e meio depois, ele vai até o batalhão da Polícia Militar e se entrega em tom de suspense, sem contar o que de fato fez, mas diz que era “algo grandioso e logo todos saberiam”.

— Perguntei porque na creche e não em um batalhão. Ele disse que [atacar] crianças seria mais fácil e ele conseguiria alcançá-las caso corressem — revelou o delegado Ronnie Esteves.

Continua depois da publicidade

Desde o momento que saiu de casa até se entregar às autoridades, o agressor percorreu pouco mais de 22 quilômetros. Tudo ocorreu em um intervalo de uma hora e 10 minutos. O homem está preso e será indiciado quatro homicídios consumados e cinco tentados, todos quadruplamente qualificados: motivo torpe, uso de meio cruel, impossibilidade defesa vítima e prática contra menores de 14 anos.

Ataque a creche em Blumenau: famílias buscam informações no local

Leia mais

Creche alvo de ataque em Blumenau reabre quase duas semanas após chacina

Pais de vítimas do ataque a creche em Blumenau serão recebidos em Brasília

Pacote bilionário contra ataques é um começo, mas é preciso leis mais duras, diz Hildebrandt

Volta às aulas na rede municipal de Blumenau terá 150 agentes de segurança, alguns armados

Destaques do NSC Total