nsc
dc

ELEIÇÕES 2022

Bolsonaro baixa tom, responde a Fachin e agora diz que ninguém quer atacar urnas

Ministro do STF disse, mais cedo, que quem trata das eleições são as "forças desarmadas"

12/05/2022 - 20h30

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Na véspera, Bolsonaro havia voltado a colocar em dúvida o sistema eleitoral
Na véspera, Bolsonaro havia voltado a colocar em dúvida o sistema eleitoral
(Foto: )

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse nesta quinta-feira (12) que o presidente do TSE, ministro Edson Fachin, vê "fantasma" e que as Forças Armadas não interferem nas eleições.

> Receba notícias via Telegram

— Eu não sei de onde ele está tirando esse fantasma que as Forças Armadas querem interferir na Justiça Eleitoral — disse Bolsonaro em sua transmissão semanal em redes sociais.

— Não existe interferência, ninguém quer impor nada, ninguém quer atacar as urnas, atacar a democracia, nada disso. Ninguém está incorrendo em atos antidemocráticos. Pelo amor de Deus! A transparência das eleições, eleições limpas, transparente, é questão de segurança nacional — continuou.

Após seguidas ameaças e insinuações golpistas, a declaração do chefe do Executivo reduziu o tom que ele adotou nas últimas semanas para se referir aos ministros do TSE e às eleições.

Em evento em Maringá (PR), na véspera, Bolsonaro havia voltado a colocar em dúvida o sistema eleitoral e disse que seu governo não aceitaria provocações.

Fachin disse, mais cedo, que quem trata das eleições são as "forças desarmadas". A declaração foi feita após a ampliação de ataques às urnas por Bolsonaro e dias após o TSE negar sugestões das Forças Armadas ao processo eleitoral.

— A Justiça Eleitoral está aberta a ouvir, mas jamais está aberta a se dobrar a quem quer que seja [sic] tomar as rédeas do processo eleitoral — disse ainda Fachin à imprensa durante evento no tribunal para testes do sistema eleitoral.

Bolsonaro chamou a declaração do ministro de "descortês".

A participação das Forças Armadas a que ele se refere é na Comissão de Transparência Eleitoral (CTE), do TSE, criada pelo então presidente da corte, ministro Luís Roberto Barroso.

A iniciativa ocorreu no ano passado, em meio a ataques de Bolsonaro às urnas e questionamentos contra o sistema eleitoral brasileiro. Na época, a ideia era trazer militares para perto do processo e, assim, conseguir respaldo deles na defesa da votação, contra a ofensiva bolsonarista.

Após militares fazerem questionamentos, Bolsonaro passou a tratar com suspeição o posicionamento do TSE.

Assim, integrantes de tribunais superiores, inclusive do STF (Supremo Tribunal Federal) e da própria corte eleitoral, passaram a considerar um erro o convite para que militares participassem do colegiado.

— Ninguém quer ter dúvidas quando acaba eleição, se aquele candidato ganhou mesmo ou não, né? Ou se o que perdeu perdeu, ou não. As Forças Armadas vão continuar fazendo seu trabalho a não ser que o ministro revogue a portaria [que criou a CTE] — disse Bolsonaro na quinta-feira.

— Sem ataques à democracia, as Forças Armadas estão cumprindo sua missão — completou.

Em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto, atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Bolsonaro falou durante a transmissão semanal, em mais de um momento, que Fachin poderia simplesmente revogar a portaria feita por Barroso.

Integrantes das Forças Armadas críticos ao envolvimento delas no processo eleitoral temem que, diante do arrependimento de ministros, seja justamente isso que Fachin faça: dissolva o colegiado ou "desconvide" as Forças Armadas de alguma forma.

Na avaliação deles, isso é o que o presidente mais quer para conseguir manter a narrativa de que os ministros do TSE não querem, na verdade, sugestões para "aprimorar" o sistema e colocar as eleições em dúvida de vez.

As Forças Armadas sempre auxiliaram o TSE na logística dos pleitos, mas pela primeira vez passaram a integrar oficialmente uma comissão dessa natureza.

Bolsonaro, que gosta de se dizer "chefe supremo das Forças Armadas", cobrou do TSE que aceite as sugestões das forças para o processo eleitoral, "todas foram técnicas". A declaração foi dada em evento no Palácio do Planalto, no final de abril.

Na ocasião, o deputado federal Daniel Silveira (PTB-RJ), agraciado com um indulto por Bolsonaro, estava sendo homenageado no Planalto. O presidente usou o evento para atacar o STF (Supremo Tribunal Federal) e chamou Barroso de "mentiroso".

Além disso, o chefe do Executivo disse ainda, na ocasião, que uma das sugestões é para os militares acompanharem a apuração final dos votos.

— Quando encerra eleições e os dados chegam pela internet, tem um cabo que alimenta a "sala secreta do TSE". Dá para acreditar nisso? Sala secreta, onde meia dúzia de técnicos diz "quem ganhou foi esse". Uma sugestão é que neste mesmo duto seja feita uma ramificação, um pouco à direita, porque temos um computador também das Forças Armadas para contar os votos— disse Bolsonaro.

Em julho de 2021, após ataque do presidente ao sistema eleitoral, o TSE disse não existir apuração em "sala secreta". "Em verdade, a apuração dos resultados é feita automaticamente pela urna eletrônica logo após o encerramento da votação."

Leia também

Generais do governo ganham até R$ 350 mil a mais ao ano após medida de Bolsonaro

que Bolsonaro pode fazer para frear alta dos combustíveis e dos alimentos

TSE aponta erros de militares e rejeita novas propostas para eleições

Colunistas