nsc
dc

Suspeita de "Rachadinhas"

Carlos Bolsonaro tem sigilos fiscal e bancário quebrados pela Justiça do Rio

Pedido do Ministério Público mirou o filho de Jair Bolsonaro bem como outras 26 pessoas, incluindo a ex-mulher do presidente, a advogada Ana Cristina Siqueira Valle

31/08/2021 - 20h47 - Atualizada em: 31/08/2021 - 20h56

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Carlos Bolsonaro, vereador no Rio de Janeiro
Carlos Bolsonaro
(Foto: )

A Justiça do Rio de Janeiro autorizou a quebra dos sigilos bancário e fiscal do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ) em meio à investigação de desvio de recursos públicos em seu gabinete na Câmara Municipal do Rio. O pedido do Ministério Público (MP), revelado pela Globonews, mirou o filho de Jair Bolsonaro bem como outras 26 pessoas, incluindo a ex-mulher do presidente, a advogada Ana Cristina Siqueira Valle.

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp 

A suspeita contra Carlos é a prática de "rachadinha", num esquema semelhante ao atribuído ao irmão, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). Em nota, a defesa do vereador afirmou que ele "permanece à disposição para prestar qualquer tipo de esclarecimento".

A investigação foi aberta depois de notícias sobre funcionários lotados no gabinete de Carlos que aparentemente não prestavam serviço para o vereador. Em abril, o jornal Folha de S.Paulo descobriu que Carlos empregou até janeiro uma idosa que mora em Magé, município a 50 km do centro do Rio. Nadir Barbosa Goes, 70, negou à reportagem que tenha trabalhado para o vereador. Ela recebia, como oficial de gabinete, uma remuneração de R$ 4.271 mensais. 

> Há chance de um novo apagão no Brasil por causa da crise hídrica?

Nadir é irmã do militar Edir Barbosa Goes, 71, atual assessor do filho do presidente. A mulher dele, Neula de Carvalho Goes, 66, também foi exonerada pelo vereador. A reportagem encontrou o militar em sua residência, vestindo uma bermuda e camisa do Brasil, às 13h de uma segunda-feira. Irritado, o funcionário da Câmara se negou a responder às perguntas e disse que caberia ao gabinete prestar esclarecimentos. 

— Eu não sou obrigado a trabalhar todos os dias lá. Não tem espaço físico — afirmou. 

A reportagem quis saber qual função o militar desempenha. 

— Não importa — respondeu. 

> Bolsonaro e Hang, quem diria, têm um ponto de discórdia

Edir também afirmou que a intenção da reportagem, ali, seria a mesma de reportagem que revelou que Walderice Conceição, vendedora de açaí em Mambucaba, na costa verde do Rio, era assessora fantasma do então deputado federal Jair Bolsonaro. 

À reportagem o chefe de gabinete de Carlos, Jorge Luiz Fernandes, disse que esses funcionários entregavam mala direta para a base eleitoral do vereador em Campo Grande, na zona oeste do Rio, e anotavam as reivindicações dos eleitores, principalmente de militares. Para trabalhar diariamente na entrega de correspondências, Nadir teria de percorrer uma distância diária de mais de 130 km. 

> Relatório da PF sobre "milícia digital" cita Jair, Flávio e Carlos Bolsonaro

Outra funcionária suspeita de ser fantasma revelada pela Folha de S.Paulo é Cileide Barbosa Mendes, 43, espécie de faz-tudo da família Bolsonaro. Enquanto esteve lotada no gabinete de Carlos, ela apareceu como responsável pela abertura de três empresas nas quais utilizou como endereço o escritório do hoje presidente Jair Bolsonaro. 

Na prática, porém, ela era apenas laranja de um tenente-coronel do Exército - ex-marido da segunda mulher de Bolsonaro - que não podia mantê-la registrada no nome dele como militar da ativa. Após ter sido babá de um filho de Ana Cristina Valle (que foi companheira de Bolsonaro e é mãe também de Renan, filho dele), Cileide foi nomeada em janeiro de 2001 no gabinete de Carlos, que era vereador recém-eleito. Novato na política, Carlos tinha 18 anos na época. 

> Carlos Bolsonaro confunde LGPD com LGBT e rebate crítica: “Mentirosos”

No início deste ano, porém, ele fez uma limpeza em seu gabinete, assim que o pai assumiu o Palácio do Planalto. Nos meses de janeiro e fevereiro, o vereador exonerou nove funcionários. Cileide foi um deles, demitida após 18 anos -recentemente com remuneração de R$ 7.483. 

A carga horária prevista para assessores comissionados da Câmara Municipal do Rio é de seis horas diárias, que não precisam ser cumpridas no espaço físico da Casa. Esses funcionários não batem ponto e têm a frequência assinada pelo próprio vereador.

Leia também

Pode beber depois de tomar a vacina da Covid-19?

Repórter é atingido ao vivo por ondas e ventos do Furacão Ida, nos EUA

Colunistas