nsc
dc

Suspeitas na pandemia

Carlos Wizard nega gabinete paralelo, se cala, e CPI da Covid encerra sessão

Empresário se amparou em habeas corpus do STF, e relator Renan Calheiros afirmou que "machões da internet ficam caladinhos na CPI"

30/06/2021 - 17h24

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Carlos Wizard (2º da esq. para a dir.) falou por 15 minutos e depois se negou a responder perguntas da CPI
Carlos Wizard (2º da esq. para a dir.) falou por 15 minutos e depois se negou a responder perguntas da CPI
(Foto: )

A sessão da CPI da Covid que teve depoimento do empresário Carlos Wizard, apontado como integrante do chamado gabinete paralelo, foi encerrada na tarde desta quarta-feira (30) pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), que substituía o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM).

Escola de idiomas nega ligação com empresário Carlos Wizard; entenda

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Amparado em um habeas corpus do Supremo Tribunal Federal (STF), Wizard anunciou que não responderia perguntas dos senadores, optando pelo silêncio.

– Por orientação dos meus advogados e em conformidade com o decidido pelo Supremo Tribunal Federal, doravante, vou permanecer em silêncio – disse.

Antes disso, o empresário havia se pronunciado por cerca de 15 minutos, período no qual negou pertencer ao gabinete paralelo, centro de aconselhamento do presidente Jair Bolsonaro para temas da pandemia, fora da estrutura do Ministério da Saúde. Também disse que não sabia o que era imunidade de rebanho.

– A minha disposição de servir o país combatendo a pandemia e salvando vidas faz com que eu seja acusado de pertencer a um suposto gabinete paralelo. Eu afirmo aos senhores, com toda a veemência, que jamais tomei conhecimento de qualquer governo paralelo. Se, porventura, esse suposto governo paralelo existiu, ou melhor, gabinete paralelo existiu, eu jamais tomei conhecimento ou tenho qualquer informação a esse respeito – disse.

Wizard também disse que apenas encontrou o presidente Jair Bolsonaro em eventos públicos, nunca em privado.

Omar Aziz anunciou que vai recorrer da decisão do STF que concedeu habeas corpus ao empresário, para que ele possa voltar à comissão em outras condições.

A posição de Wizard foi criticada por praticamente todos os senadores, mesmo governistas. Eduardo Girão (Podemos-CE) se disse "frustrado" com o silêncio do empresário.

O relator Renan Calheiros (MDB-AL) afirmou que o Brasil está vendo "que os machões da internet ficam caladinhos aqui na CPI".

* Por Raquel Lopes e Renato Machado

Leia também

O que está por trás da convocação de Luciano Hang pela CPI da Covid

Novo decreto prorroga regras contra Covid-19 em SC; público em estádios segue proibido

Superpedido de impeachment contra Bolsonaro é apresentado por oposição e movimentos sociais

Colunistas