O texto que regulamenta a nova base tributária do país começa a ser votado nesta quarta-feira (10) pelo plenário da Câmara dos Deputados. A proposta trata especificamente da implementação de novos impostos, que vão substituir os atuais tributos federais. As informações são do GZH. 

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

O presidente Arthur Lira (PP-AL) afirmou que pretende aprovar a proposta antes do recesso parlamentar, que se inicia em 18 de julho. Caso aprovada no Senado, a nova legislação entrará em vigor em etapas: parte em 2025, depois 2027, 2029 e 2033, quando o novo sistema tributário entrará totalmente em vigor.

O processo de aprovação da reforma tributária começou no ano passado, quando o Congresso Nacional promulgou a Emenda Constitucional 132 , que estabeleceu o novo sistema de tributação, em uma discussão que levou mais de três décadas para avançar no país.  

Os esforço nas negociações com as bancadas é para manter a alíquota básica de 26,5%. Essa alíquota de referência vale para mercadorias e serviços que não são beneficiados com algum tipo de tratamento diferenciado.

Continua depois da publicidade

O projeto acelerado trata da implementação do IBS (Imposto sobre Bens e Serviços), do CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços) e do Imposto Seletivo (IS). Os dois novos impostos formam o IVA (Imposto sobre Valor Agregado) e substituirão cinco tributos que atualmente incidem sobre consumo: PIS, Cofins, IPI, ICMS, ISS.

“Imposto do pecado” 

O imposto seletivo, também chamado de “imposto do pecado”, funcionará como uma tributação adicional para itens considerados prejudiciais à saúde ou ao meio ambiente. De acordo com os deputados, um dos temas de grande debate será em relação à inclusão das armas. 

Os jogos de azar e fantasy games também foram incluídos no “imposto do pecado”. Também foram incluídos nesse grupo os veículos que emitem pouco dióxido de carbono. Neste caso, entram os veículos elétricos.

Conforme o deputado Hildo Rocha (MDB-MA), os veículos elétricos devem ser incluídos nesse imposto em razão do impacto ambiental das baterias. O setor de eletrificados diz que a medida pode frear investimentos e atrasar a indústria no país.

Continua depois da publicidade

Mudanças na reforma tributária 

O texto da nova regulamentação deixou de fora a carne da lista dos itens previstos para ter alíquota zero. Segundo o grupo de trabalho, a inclusão da proteína poderia elevar a alíquota média. Questionado sobre a possibilidade de inclusão de proteínas na cesta básica, Lira disse que é preciso verificar o quanto essa medida vai alterar a alíquota de referência. Com informações da GZH. 

— Nunca houve proteína na cesta básica, mas se couber, temos que ver quanto vai ser essa alíquota que todo mundo vai pagar — disse.

O presidente Lula sugeriu, na semana passada, a inclusão de carnes com cortes menos nobres na cesta básica. 

Lira argumentou que o cashback previsto na reforma pode ser uma medida mais efetiva para compensar o preço da carne para a população de baixa renda.

Continua depois da publicidade

Confira outras mudanças 

Nanoempreendedores 

O relatório estipula regime onde os pequenos produtores independentes que faturem até R$ 40,5 mil por ano não serão contribuintes do IBS e da CBS. 

Produtos de higiene

Os produtos de higiene menstrual passaram de uma redução de alíquota de 60% para alíquota zero. Contudo o Viagra, medicamento para disfunção erétil, terá o movimento inverso. 

Produtor rural 

O novo texto estipula que o produtor integrado a uma cadeia produtiva não ficará sujeito ao limite de faturamento anual de R$ 3,6 milhões. 

Automóveis para PCD

O texto estabelece que o valor do carro com redução de tributação para pessoas com deficiência (PCD) passa de R$ 120 mil para R$ 150 mil sem levar em conta os custos para adaptação.

Continua depois da publicidade

Bares e restaurantes

O grupo prevê o direito a regime diferenciado ao setor de bares e restaurantes, mas destaca que, agora, esses estabelecimentos poderão também ter créditos de IBS e CBS e excluir os custos com serviços de delivery.

*Com informações da Agência Câmara

Leia mais

Café com Ânderson de 10 de julho de 2024: às notas desta quarta-feira

Saiba o horário do primeiro turno da votação em 2024 

Ivan Naatz comenta iniciativa que pode viabilizar reeleição na presidência da Alesc

Destaques do NSC Total