nsc
    hora_de_sc

    Na Capital

    Casal abandona criança em carro para "bater fotos e passear" e é preso em Florianópolis

    Pai e madrasta foram detidos pela polícia e o menino — deficiente — ficou sob os cuidados do Conselho Tutelar

    31/01/2021 - 08h02 - Atualizada em: 01/02/2021 - 08h25

    Compartilhe

    Augusto
    Por Augusto Ittner
    Carro estava próximo à cabeceira continental da Ponte Hercílio Luz.
    Carro estava próximo à cabeceira continental da Ponte Hercílio Luz.
    (Foto: )

    Uma criança de oito anos, deficiente, foi abandonada pelo pai e pela madrasta no início da noite deste sábado (31) próximo à cabeceira continental da Ponte Hercílio Luz, em Florianópolis. Eles alegaram aos policiais que haviam saído para “bater fotos e passear” — de acordo com relatório — e, por isso, deixaram o menino sozinho no carro.

    > Receba notícias de Florianópolis por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do DC, Hora e CBN Diário

    O caso foi registrado por volta das 18h15min. Uma viatura da Polícia Militar Rodoviária (PMRv) estava em rondas pela região quando foi abordada por um homem alegando que um veículo estava parado próximo à ponte e com uma criança dentro. 

    Ao chegar no local, os PMs confirmaram a situação e abriram o carro para permitir que o menino respirasse melhor. Os bombeiros também foram chamados para dar suporte e prestar atendimento.

    > Pacientes de Manaus chegam a SC para tratamento da Covid-19 e são levados a hospitais de Florianópolis

    Poucos minutos depois da chegada da PMRv ao local, os familiares da criança se apresentaram e relataram os agentes que haviam ido fazer turismo no entorno da Ponte Hercílio Luz. Segundo relatório policial, o menino tem oito anos e “uma série de problemas físicos e psicológicos, não tendo condições de se comunicar, tampouco de se cuidar sozinha”.

    Pai e madrasta foram presos em flagrante por abandono de incapaz e encaminhados à Central de Plantão Policial. Já o pequeno, depois de ser atendido pelos bombeiros, foi encaminhado ao Hospital Infantil Joana de Gusmão. O Conselho Tutelar esteve na unidade de saúde e ficou responsável pela criança.

    Colunistas