nsc
santa

Investigação

Caso Luna: mãe e padrasto suspeitos pela morte da menina ficarão presos por pelo menos mais 30 dias

Polícia Civil pediu prorrogação das prisões, enquanto finaliza as investigações; Luna Gonçalves, de 11 anos, foi encontrada morta em Timbó em abril

11/05/2022 - 20h43

Compartilhe

Luana
Por Luana Amorim
Criança foi encontrada morta dentro de casa em abril
Criança foi encontrada morta dentro de casa em abril
(Foto: )

A mãe e o padrasto de Luna Gonçalves, de 11 anos, tiveram a prisão temporária renovada por mais 30 dias. O novo prazo começa a contar em 15 de maio, segundo a Polícia Civil de Timbó, que investiga o caso. A menina foi encontrada morta, dentro de casa, em 14 de abril. 

> Receba notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Santa

De acordo com a polícia, o motivo para renovação é a complexidade do caso. Como ainda há investigações, a prisão seria uma forma de impedir que os suspeitos interfiram no inquérito ao ter contato entre si e com outras pessoas quem podem estar envolvidas no caso. 

A previsão é de que as investigações sejam encerradas dentro do prazo de prorrogação da prisão temporária. Em coletiva de imprensa, o delegado André Beckman informou que já recebeu o laudo que possa confirmar violência sexual contra Luna, mas que pediu complementações. Ele também aguarda o resultado de outros laudos. 

Relembre o caso

Luna foi encontrada morta em Timbó na madrugada do dia 14 de abril. Ela vivia com a mãe, o padrasto, a irmã de seis anos e o irmão de nove meses, segundo apurou a Polícia Civil. O casal estava se relacionando há cerca de um ano, conforme o delegado.

O atestado de óbito de Luna Nathielli Bonett Gonçalves, 11 anos, mostra a brutalidade com que a adolescente foi assassinada. Conforme o laudo, a garota sofreu politraumatismo. Ela tinha lesões internas no crânio, baço, pulmão, intestino, uma laceração na vagina e também estava com o rosto machucado.​

> Leia também: Laudo revela brutalidade com que menina de 11 anos foi assassinada em Timbó

> E mais: Vizinhos relatam sensação de cativeiro em casa onde Luna foi achada morta em Timbó

De acordo com a Polícia Civil, a mãe confessou ter matado a própria filha com socos e chutes como forma de represália, já que não aceitava que a filha havia se tornado "sexualmente ativa". A mulher e o padrasto foram presos dois dias após a morte da menina.

Ainda segundo a investigação, a irmã mais nova de Luna também demonstrava sinais de agressões em casa, conforme o relato de professores. 

Para comprovar a situação de violência, a equipe cumpriu mandado de busca na residência de Luna. Foi apreendido um objeto semelhante ao relho, usado para domar cavalo e que pode ter sido utilizado para espancar a menina até a morte.

Leia também: 

Homem é condenado após agredir esposa com facão e destruir vidro com um soco em SC

Dr. Honesto aumenta a frota em SC e agora tem até bicicleta sem atendente

Jovem que matou bebê e enterrou nos fundos de casa após o parto em SC irá a júri popular

Colunistas