nsc
hora_de_sc

Música

Catarinense Carlos Trilha, produtor de Renato Russo, fala sobre descoberta de canções inéditas do artista

Operação Será encontrou 30 composições inéditas que eram comercializadas ilegalmente

27/10/2020 - 18h23 - Atualizada em: 27/10/2020 - 18h24

Compartilhe

Por Janaína Laurindo
Trilha, a esquerda de Renato Russo, na gravação de The Stonewall Celebration Concert
Trilha, a esquerda de Renato Russo, na gravação de The Stonewall Celebration Concert
(Foto: )

Na última segunda-feira (26), um homem foi preso no Rio de Janeiro por supostamente comercializar músicas inéditas de Renato Russo. A prisão ocorreu após cerca de um ano de investigações da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra Propriedade Imaterial. A Operação Será, alusão a um dos grandes sucessos cantados por Renato, encontrou 30 composições inéditas, que eram comercializadas ilegalmente, segundo denúncia feita pelo filho do artista, Giuliano Manfredini.

> Polícia prende homem que vendia supostas músicas inéditas de Renato Russo

O catarinense Carlos Trilha, que trabalhou como produtor musical de Renato Russo, usou as redes sociais para esclarecer que seu estúdio no Rio de Janeiro não tem nenhum ligação com a denúncia: "A operação não se deu em meus estúdios". O produtor musical explicou também que não há canções inéditas.

- Não existem músicas inéditas. Existem letras não usadas por Renato que estariam sendo musicadas por terceiros, escolhidas pelo Jornalista Marcelo Froes antes da administração do espólio ser transferida para o herdeiro dos direitos - escreveu Trilha.

Ele também lamentou o ocorrido.

- É realmente uma pena que a morte de um artista conduza sua obra à um universo bizarro de pessoas de critério artístico duvidoso que nunca estiveram próximas à ele.

> Em entrevista, músico catarinense Carlos Trilha fala sobre a carreira e o desejo de retornar para Florianópolis

Em recente entrevista, o catarinense falou sobre a importância de Renato Russo em sua carreira e contou como foi o primeiro encontro com o músico.

- Foi engraçado porque cheguei para ele e falei: “Olha só, Renato, sou roqueiro, toco simples, mas já tirei todo o repertório e já preparei os sons”. Daí ele respondeu: “Ih, nem se preocupe, nós vamos ficar meses aqui”. Quer dizer, eles não estavam sabendo tocar nada, estavam se reencontrando, iam começar as sessões de ensaio, mas eu já estava preparado.

Leia também:

> "Acho que o Ira! tem essa vertente, sabe falar de política sem ser panfletário e de amor sem ser meloso", diz Nasi sobre novo trabalho da banda

> “Na nossa juventude a gente fez coisas bem pensadas”, diz Sérgio Britto sobre a trajetória dos Titãs

> Marisa Monte sai da reclusão, conta histórias e canta na live de Teresa Cristina

Colunistas