nsc
hora_de_sc

Pandemia

Cerca de 300 servidores da saúde de Florianópolis estão afastados por Covid-19

O secretário de Saúde do município explicou a necessidade de novas contratações e ressaltou como a falta de servidores prejudica o atendimento

12/01/2022 - 18h04 - Atualizada em: 12/01/2022 - 18h05

Compartilhe

Joana
Por Joana Caldas
A Capital lidera os casos ativos de Covid-19 no Estado
A Capital lidera os casos ativos de Covid-19 no Estado
(Foto: )

Cerca de 300 servidores da saúde em Florianópolis tiveram que ser afastados por suspeita ou confirmação de Covid-19. As confirmação foi feita nesta quarta-feira (12) pela prefeitura, que afirmou que estão contratando mais profissionais. As informações são do g1 SC.

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

De acordo com o Monitor do Coronavírus do NSC Total, a Capital lidera os casos ativos de Covid-19 no Estado, com 5.569 até a atualização mais recente. O município não informou o total de servidores na rede até o momento da publicação da matéria. 

Ainda, a Secretária Estadual de Saúde disse estar levantando o número de servidores afastados em função do coronavírus. As estatísticas sobre a rede privada estão sendo apuradas pela Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Estado de Santa Catarina (Fehoesc).

Novas contratações são para amenizar prejuízo no tratamento

O secretário de Saúde de Florianópolis, Carlos Alberto Justo da Silva, explicou a necessidade de novas contratações e ressaltou como a falta de servidores prejudica o atendimento.

— Começa a faltar em alguns centros de saúde, que estamos tentando contornar atualmente fechando mais cedo, deslocando equipes de um lado para o outro. Mas nós estamos precisando desses servidores para manter o atendimento e, além disso, para ampliar aquelas condições que nós estabelecemos como prioritárias. Como, por exemplo, abrir os novos centros de testagem — disse o secretário.

Os médicos sentem que o trabalho de combate à pandemia voltou a ficar ainda mais intenso. Segundo o Sindicato dos Médicos do Estado Santa Catarina (Simesc), boa parte deles se divide entre diferentes unidades de saúde.

— Os médicos e todos os nossos colegas estão sobrecarregados, estão trabalhando na sua capacidade limite, muitos estão afastados por também terem sido contaminados pela doença — explica a diretora do Simesc, Juliane Ferrari.

A dirigente ainda complementa:

— Então realmente a gente pede que a população entenda que nós temos uma capacidade limitada de atendimento e que a gente está realmente se doando e fazendo o nosso melhor. 

Para amenizar os prejuízos, na semana passada a Secretaria de Saúde da Capital abriu dois processos para contratar 280 profissionais da saúde, entre eles, médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem. A prefeitura comunicou que de todas as vagas abertas na área da saúde, 44 foram preenchidas até a tarde desta quarta. 

Os contratos são temporários, de três meses, podendo ser renovados por mais três. Todos que estão recebendo o convite do município estavam no chamado cadastro reserva.

Leia também

Vídeo mostra ameaça a jornalista do The Intercept Brasil em Balneário Camboriú; assista

Dono de cadela resgatada em Balneário Camboriú tinha "saído para almoçar", diz polícia

Volta às aulas em SC tem novas regras definidas em decreto

Colunistas