nsc
nsc

Angeloni

Cerveja sem glúten democratiza a bebida mais querida entre os brasileiros

Novidade devolve o prazer de uma cervejinha gelada a pessoas com intolerância à proteína presente em cereais, como a cevada, principal ingrediente da bebida

22/06/2021 - 13h20 - Atualizada em: 23/06/2021 - 09h35

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Novidade devolve o prazer de uma cervejinha gelada a pessoas com intolerância à proteína presente em cereais, como a cevada, principal ingrediente da bebida
Cerveja sem glúten é solução para quem precisa evitar o consumo da proteína presente nas cervejas convencionais
(Foto: )

A discussão entre os benefícios e malefícios do glúten entre médicos e nutricionistas é extensa e está longe de acabar. O que se sabe é que essa proteína pode causar alergia, intolerância e agravar quadros de doenças reumáticas e outras autoimunes e disfunções hormonais.

Quem sofre com esses problemas muitas vezes precisa adotar dietas e hábitos restritivos e sabe que é preciso encontrar substitutos para produtos simples do dia a dia, como pão e macarrão. Por outro lado, a indústria tem investido cada vez mais na pesquisa e produção de alimentos que não produzam reações alérgicas nem causem intolerância ou agravem quadros inflamatórios.

Hoje, celíacos, pessoas com doenças autoimunes ou que simplesmente optaram por reduzir ou cortar o glúten da alimentação que, há alguns anos, já encontram uma variada gama de alimentos sem essa proteína nas prateleiras dos supermercados têm mais um motivo para brindar: recentemente, a Cervejaria Ambev lançou a Stella Artois sem glúten. 

Com isso, cervejeiros ocasionais ou que não abrem mão de uma cervejinha gelada no fim do dia já podem se sentir novamente incluídos no churrasco do fim de semana e no happy hour com os amigos. É inegável o papel social e agregador que a cerveja representa, e democratizar o acesso à bebida a quem tem algum tipo de intolerância ao glúten é também permitir que as pessoas ampliem suas redes afetivas e sociais, além de devolver certa normalidade à vida de quem precisa fazer restrições alimentares.

Stella Artois sem glúten
Stella Artois lança cerveja sem glúten
(Foto: )

Quais doenças provocam restrição ao consumo de glúten?

Basicamente, há três doenças que devem ser tratadas com a exclusão completa do glúten da alimentação: doença celíaca, alergia ao glúten e sensibilidade ao glúten não celíaca. No entanto, há outras condições e doenças em que o consumo dessa proteína está ligado à piora do quadro ou ao desencadeamento de crises, sendo, portanto, indicada a restrição ou a exclusão da dieta de ingredientes que contenham glúten.

— Descobri que tenho psoríase há pouco tempo, e a médica sugeriu algumas alterações na dieta para evitar as crises. Com isso, precisei cortar ou restringir ao máximo o consumo de glúten. Não tem sido difícil encontrar pães, massas, bolos sem glúten, mas essa restrição me fez cortar bebidas alcoólicas, pois o gim e a vodca, por exemplo, contêm glúten — explica o engenheiro sanitarista Aliatir Filho.

O mercado para pessoas com alguma restrição ao consumo de glúten ultrapassa dois milhões de pessoas no Brasil. O glúten pode ser tóxico para quem tem outras doenças autoimunes além da psoríase, como doença de Crohn, lúpus e artrite reumatoide. Para a Ambev, a cerveja sem glúten atende a esse mercado de pessoas com restrições alimentares ao mesmo tempo em que acompanha tendências de consumo e comportamento, dando ao consumidor ainda mais poder de escolha, trazendo mais gente para momentos de interação.

— A cerveja sem glúten me faz ter mais vontade de participar de confraternizações e encontros, mesmo que virtuais ou com distanciamento social, em função da pandemia. Sabemos que a cerveja funciona, em muitos momentos, como um catalisador de conversas e encontros, e é ótimo poder consumir a bebida, moderadamente, sem pôr a saúde em risco — comemora Aliatir Filho.

Mercado cervejeiro no Brasil em números

A cerveja é a bebida alcoólica mais consumida no Brasil e, no ranking de bebidas em geral, está atrás somente da água e do café. De acordo com levantamento da Euromonitor Internacional, os brasileiros consomem anualmente quase 14 bilhões [an2] de litros da bebida. O consumo estimado por pessoa pela a Associação Brasileira da Indústria de Cerveja (CervBrasil) é em torno de 65 litros ao ano.

A cadeia cervejeira gera 2,7 milhões de empregos, com faturamento anual de 77 bilhões de reais, o que faz do setor responsável por 2% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Um dos grandes desafios do setor é ampliar o mercado consumidor sem perder de vista a qualidade dos produtos. Essa foi a missão da Cervejaria Ambev ao desenvolver a Stella Artois Sem Glúten. A nova versão é puro malte, feita com os mesmos ingredientes da versão tradicional – água, malte e lúpulo. A exclusão do glúten da cevada é possível graças ao investimento tecnológico realizado na produção.

A cerveja Stella Artois apresenta sua mais nova versão: Stella Artois Sem Glúten. Disponível em formato long neck, com 330 ml, vem em caixa com 6 unidades, com a mesma cor cristalina e aroma suave com notas maltadas, exatamente como na versão regular. O mesmo sabor da receita única de Stella, puro malte, agora sem glúten!

Você encontra o lançamento Stella Artois Sem Glúten nos supermercados da rede Angeloni, que oferece outras dezenas de marcas de alimentos e bebidas glúten free. Acesse o site e saiba mais.

Leia também

> Cerveja de baixa caloria e "low carb" testada em Florianópolis é lançada no Brasil

> A cerveja mais alcoólica do Brasil: rótulo paulista bate recorde nacional e custa R$ 450

Colunistas