nsc
santa

Recomeço

Cidades atingidas por temporal no Alto Vale precisam de voluntários e doações

Nesta semana principais necessidades são mão de obra, móveis e eletrodomésticos

21/12/2020 - 16h27 - Atualizada em: 21/12/2020 - 17h12

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Moradores trabalham na limpeza das casas e ruas
Moradores trabalham na limpeza das casas e ruas
(Foto: )

A onda da solidariedade que surgiu após a tragédia em Presidente Getúlio, no Alto Vale do Itajaí, auxilia os moradores a terem esperanças de um recomeço. Porém, é preciso focar no que realmente é necessário à região neste momento. Roupas, por ora, atendem a demanda de Presidente Getúlio e de Ibirama e Rio do Sul, também atingidos pelo temporal. A prioridade são móveis, eletrodomésticos e mão de obra voluntária.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Santa

Moradores de Rio do Sul, Ibirama e principalmente Presidente Getúlio trabalham para limpar a lama e vegetação trazidas pelo temporal da última quarta-feira (16). Depois de diversas doações, os municípios tentam organizar o que chega para que não haja falta de logística para fazer com que os produtos sejam levados a quem precisa.

Em Presidente Getúlio, a mais castigada pelo fenômeno, o principal pedido é que pessoas que tenham carros maiores, como caminhonetes e jeeps, sigam para o município e ajude na distribuição de doações às famílias ou na limpeza. Móveis e eletrodomésticos são bem-vindos para o recomeço daqueles que perderam tudo o que tinham, ressaltou o prefeito Nelson Virtuoso.

> Tragédia em Presidente Getúlio: 20 fotos que mostram a destruição causada por temporal

> Sobreviventes relatam gritos de socorro e pessoas arrastadas pelas águas em Presidente Getúlio

— Cerca de 80 casas foram totalmente destruídas. O decreto de calamidade pública foi reconhecido pelo Governo Federal, o que é muito importante. Agora vamos organizar os documentos para buscar recursos e reconstruir nossa cidade. Acredito que levará um ano para isso acontecer — avaliou o prefeito.

O levantamento oficial ainda não foi concluído, mas Virtuoso estima que além das 80 casas levadas pelo temporal há 50 ruas danificadas, incluindo galerias, pontes e asfaltos. Locais ainda estão sendo desobstruídos e vias terão de ser criadas porque a enxurrada destruiu completamente os caminhos que havia. 

Há imóveis que alagaram, outros que tiveram a estrutura comprometida e também espaços públicos que ainda não podem ser utilizados por conta da destruição parcial ou sujeira, como postos de saúde e creches.

Conforme informações da Defesa Civil da noite desta segunda-feira (21), são 100 desalojados (92 em Ibirama e oito em Presidente Getúlio) e 172 desabrigados: 147 em Presidente Getúlio, 21 em Rio do Sul e quatro em Ibirama. 

Onde, como e o que doar

Presidente Getúlio: móveis, eletrodomésticos e utensílios domésticos. Quantidades menores devem ser levadas até a escola Trancredo Neves, Rua Rodolfo Haertel, 111, no bairro Pinheiro. Já grandes volumes para o ginásio Pereirão, no Centro.

Quem quiser também pode auxiliar no transporte (com carros maiores) ou limpeza.

Rio do Sul: assim como Presidente Getúlio, necessita principalmente de móveis, eletrodomésticos e utensílios domésticos. Telefone para dúvidas: (47) 3525-4084.

Ibirama: a maior preocupação agora é com os animais. Para ajudar com rações, ligue: (47) 99701-2033, falar com a voluntária Débora.

Os produtos que chegaram, principalmente alimentos e água, suprem a necessidade dos próximos dias, mas novas demandas devem surgir. O importante é que as doações não sejam levadas todas de uma só vez para não prejudicar o armazenamento e distribuição.  

Doações a caminho

As campanhas em andamento não precisam ser encerradas. É o caso de Blumenau, que arrecadou 15 toneladas alimentos, produtos de higiene, colchões, roupas e eletrodomésticos até este domingo (20). A prefeitura organiza os produtos para que sejam entregues ao Alto Vale. Ainda no sábado (19), pelo menos sete caminhões já saíram de Blumenau com donativos da campanha.

> Radar de Lontras desligado e dificuldades na comunicação impediram alerta a Presidente Getúlio

> Sobrevivente da tragédia no Alto Vale lembra noite de terror: "a morte bateu à porta de todo mundo"

Colunistas