nsc
    santa

    Pandemia

    Cidades do Médio Vale precisam adotar medidas de restrição em conjunto, diz presidente da Ammvi

    “Não adianta Blumenau tomar uma atitude, e Gaspar e Indaial não”, exemplifica Matias Kohler sobre ações contra o novo coronavírus

    26/06/2020 - 12h10 - Atualizada em: 29/06/2020 - 14h47

    Compartilhe

    Augusto
    Por Augusto Ittner
    Prefeito de Guabiruba é hoje o presidente da Ammvi.
    Prefeito de Guabiruba é hoje o presidente da Ammvi.
    (Foto: )

    As prefeituras do Médio Vale do Itajaí precisam adotar medidas de restrição em conjunto para frear o avanço do novo coronavírus. É isso que defende o presidente da associação dos municípios da região (Ammvi), Matias Kohler (PP), que assumiu a entidade em abril deste ano. O pepista, que é prefeito de Guabiruba, afirma que o trânsito entre moradores de diferentes de cidades é constante e, por isso, as regras precisam ser mais regionalizadas.

    > Receba notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Santa

    Nesta sexta-feira, por exemplo, os municípios do Sul do Estado que compõem a região da Amurel anunciaram medidas conjuntas contra a Covid-19. Esse decreto envolve 18 cidades, obriga o uso de máscaras e restringe acesso da população a espaços públicos. Na avaliação de Kohler, é esse tipo de iniciativa que precisa ocorrer, também, no Médio Vale.

    — Não adianta Blumenau tomar medidas e, por exemplo, Indaial, Gaspar, Timbó, não tomarem. Tudo tem que ser definido de forma regionalizada e por isso a gente vem conversando bastante [entre os prefeitos da Ammvi] desde o início da pandemia. Não consigo imaginar um município defendendo algo por conta, já que as cidades são próximas — defende Matias Kohler.

    “Luz vermelha”

    O aumento repentino de casos e de ocupação de leitos de UTI na região preocupa o presidente da Ammvi. Kohler critica o comportamento da população após o Estado permitir que as prefeituras tomassem decisões locais e diz que, principalmente em cidades pequenas, muitas pessoas acharam que isso significava uma volta à normalidade.

    — Quando o governador deu essa liberdade aos municípios, desde que respeitada a matriz estabelecida pela Secretaria de Saúde, muita gente achou seria vida normal de novo. Vejo isso nas cidades pequenas. População passou a desrespeitar as medidas de combate à Covid-19, e aí se criou um ambiente totalmente favorável para o vírus — aponta o presidente da Ammvi.

    Kohler diz que os prefeitos do Médio Vale têm se reunido on-line para debater questões que envolvem o coronavírus ao menos duas vezes da semana. Para ele, o “sinal vermelho” já está aceso na região:

    — O vírus não é uma brincadeira. Vimos o estrago no mundo todo. Nós, gestores municipais, estamos preocupados com tudo, inclusive a falta de clareza das medidas que estão sendo adotadas. Esse aumento de casos acendeu uma luz vermelha e temos que voltar a ter atenção por parte da sociedade. O vírus não passou, ele está só chegando. Se não nos unirmos, o prejuízo será de todos.

    Mortes no Médio Vale

    Conforme dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES), até a noite desta quinta-feira (25) o Médio Vale do Itajaí somava 16 mortes pela Covid-19. São seis em Blumenau, três em Brusque, três em Gaspar, duas em Indaial, e uma em Rodeio. Clique aqui e confira todas as informações no Painel do Coronavírus da NSC.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Saúde

    Colunistas