nsc
dc

CAMPANHA HISTÓRICA

Com 72 medalhas, Brasil encerra sua melhor campanha nas Paralimpíadas

O país somou na capital japonesa 22 medalhas douradas, 20 pratas e 30 bronzes. Terminou na sétima posição no quadro de medalhas

05/09/2021 - 16h48 - Atualizada em: 06/09/2021 - 00h27

Compartilhe

Folhapress
Por Folhapress
Jogadores brasileiros aparecem com as mãos para o alto comemorando
Jogadores brasileiros comemoram medalha de ouro no futebol de 5
(Foto: )

O Brasil encerrou a sua participação nas Paralimpíadas de Tóquio-2020, neste domingo (5), com o melhor desempenho do país na história dos Jogos. Foram 72 medalhas no total, igualando o recorde obtido no Rio de Janeiro, em 2016, mas com um número bem superior de ouros. 

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

As 22 medalhas douradas no Japão superaram inclusive as 21 de Londres-2012, maior marca até então. O país ainda somou na capital japonesa 20 pratas e 30 bronzes. Terminou na sétima posição no quadro de medalhas -mesma colocação de 2012. No Rio, foram 14 ouros, 29 pratas e 29 bronzes, no oitavo lugar.

Última medalha sai na maratona

Ainda na noite de sábado, no horário de Brasília, Alex Douglas Pires foi o medalhista de prata na maratona da classe T46 (para atletas com deficiência nos membros superiores). Ele terminou a prova apenas atrás do chinês Chaoyan Li.

Li quebrou o recorde paralímpico com o tempo de 2h25min50. O brasileiro completou a prova com o recorde sul-americano da classe, em 2h27min00s. A medalha de bronze ficou com o japonês Tsutomu Nagata, com o tempo de 2h29min33s.

> Joinvilense Talisson Glock conquista medalha de bronze nas Paralimpíadas

Após a prova, Alex contou que sua estratégia era ficar o mais próximo possível do primeiro pelotão. Após a marca dos 30 km, ele aumentou o ritmo e conseguiu passar o terceiro e o quarto colocados. 

— Acabei fazendo a minha corrida e comecei a crescer o ritmo no meio da prova. Deu certo a estratégia e fui feliz — comemorou o brasileiro.

Na chegada, Alex gesticulou com os braços abertos correndo em ziguezague na pista do Estádio Olímpico de Tóquio, um gesto parecido e inspirado pelo "aviãozinho" de Vanderlei Cordeiro de Lima no bronze das Olimpíadas de Atenas-2004. Depois de conquistar a prata, o brasileiro comentou a inspiração para a comemoração.

> Criciumense é prata nas Paralimpíadas em Tóquio

— Eu imaginei repetir o gesto apenas naquela hora, quando lembrei da chegada do Vanderlei na maratona de Atenas. Tinha pensado em outras coisas, mas na hora não lembrei e resolvi homenageá-lo desta forma — explicou.

Natural de Sapiranga (RS), o gaúcho de 31 anos tem um encurtamento no braço esquerdo e está no atletismo paralímpico desde 2007. Após medalhas em campeonatos mundiais, ele agora conquistou a sua primeira paralímpica.

Na madrugada deste domingo, Vitor Tavares finalizou a campanha brasileira na disputa do bronze do badminton, mas foi derrotado pelo britânico Krysten Coombs de virada, por 2 sets a 1, e saiu sem medalha. Ele foi o único representante do Brasil na estreia do esporte nos Jogos.

Pela manhã, às 8h, a cerimônia de encerramento das Paralimpíadas fecha o capítulo dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio-2020.

Confira os vídeos do NSC Total no YouTube

Leia também

Quanto vale uma medalha de ouro?

Corrida de bandeja? Veja esportes que brasileiros seriam medalha de ouro

Saiba se atletas olímpicos podem beber álcool e entenda mais sobre

O que é o gesto de protesto no pódio das Olimpíadas

Colunistas