Com crescimento de 200% nos casos de chikungunya, o governo de Santa Catarina emitiu alerta aos municípios sobre a transmissão da doença. Até 19 de abril, 18 casos foram confirmados no Estado, enquanto no mesmo período de 2022 eram seis infectados. Outros 299 pacientes com suspeita da doença estão em investigação, segundo a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Dive/SC).

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

De acordo com a diretoria, dos 18 casos confirmados, quatro foram autóctones — com transmissão dentro do Estado. Eles foram registrados em Bombinhas (3), no Litoral Norte, e em Florianópolis (1). Já entre os demais, oito foram importados e seis seguem em investigação sobre local provável de infecção.

SC registra, em média, 714 casos de dengue por dia em uma semana

Em todo o ano passado, foram confirmados 25 casos, sendo três autóctones, 20 importados e dois ainda estão em investigação do LPI.

Continua depois da publicidade

— A chikungunya é uma doença causada por um vírus e também é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. A doença pode se manifestar clinicamente de três formas: aguda, subaguda e crônica. Na fase aguda os sintomas aparecem de forma brusca e compreendem febre alta, dor nas articulações, especialmente nas extremidades e nas grandes articulações, dor de cabeça e dor muscular. Também é frequente a ocorrência de manchas vermelhas na pele. Os sintomas costumam persistir por sete a 10 dias, na forma aguda, podendo durar semanas a meses nas demais formas — pontua o médico infectologista e superintendente de vigilância em saúde, Fábio Gaudenzi.

O aumento fez com que a Dive emitisse um alerta aos municípios, principalmente para o atendimento dos casos suspeitos.

— É fundamental que as secretarias municipais de Saúde estabeleçam os fluxos para a coleta de exames e atendimento dos casos suspeitos. A classificação e manejo de todo paciente deve ocorrer na suspeição de chikungunya, utilizando o Fluxograma de Classificação de risco e manejo do paciente, de forma a evitar a ocorrência de casos graves e óbitos pela doença — salienta.

Dengue também segue em alta

Além da chikungunya, os casos de dengue também seguem em alta. De acordo com o último boletim divulgado pela Dive, na última semana, o Estado tinha 15.604 casos confirmados — crescimento de 47,20% em uma semana, quando eram 10,6 mil.

Continua depois da publicidade

Além disso, 12 municípios atingiram o nível de epidemia, que ocorre quando a taxa de incidência é maior de 300 casos a cada 100 mil habitantes. São eles Águas Frias, Bombinhas, Coronel Freitas, Itapiranga, Joinville, Palhoça, Porto Belo, Quilombo, São João do Oeste, São José, Saudades e União do Oeste.

Já o número de focos do mosquito Aedes aegypti teve uma queda de 10,2% ao comparar com o mesmo período de 2022. Entre 1º de janeiro e 17 de abril deste ano, foram identificados 32.188 em 224 municípios, enquanto no ano passado 35.847 foram registrados em 217 cidades.

Dicas de como manter o mosquito longe de casa

  • Caixas de água vedadas
  • Calhas totalmente limpas
  • Galões, toneis, poços, tambores bem fechados
  • Pneus sem água e em lugares cobertos
  • Garrafas vazias e baldes com boca para baixo
  • Ralos limpos e com tela
  • Ar-condicionado com bandeja limpa e sem água
  • Pratos de vasos de planta com areia até a borda
  • Bromélias e outras plantas sem acúmulo de água
  • Vasos sanitários sem uso sempre fechados
  • Lonas de coberturas bem esticadas para evitar poças de água
  • Piscina deve ter a água tratada com cloro e estar coberta
  • Verifique e faça a troca de água de fontes

Leia também:

SC pede urgência na liberação de vacina da dengue como aconteceu com a Covid

Índice de obesidade dispara e SC contabiliza mais de 398 mil pacientes com doença crônica

Destaques do NSC Total