nsc
dc

Pandemia

Com casos em queda e mudança de perfil nas mortes, SC se preocupa com variante Delta

Estado acumulou essa semana o menor número de casos ativos do ano, ao mesmo tempo que morte de idosos cai; porém, especialistas alertam sobre a importância da vacinação para evitar novo pico

04/08/2021 - 07h00 - Atualizada em: 04/08/2021 - 10h33

Compartilhe

Por Luana Amorim
Ao menos 287 cidades catarinenses tem, ao menos, um caso ativo da Covid-19
Ao menos 287 cidades catarinenses tem, ao menos, um caso ativo da Covid-19
(Foto: )

Santa Catarina registrou nesta semana o menor número de casos ativos da Covid-19 no ano. Nesta terça-feira (3), eram 11.830, a menor quantidade desde outubro de 2020, segundo dados do Painel do Coronavírus do NSC Total. Entre os motivos para a queda, apontados por especialistas, está a vacinação. 

> Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Porém, a presença da variante Delta ainda é motivo para precupação. Apesar do Estado não ter confirmado casos autóctones da variante da Covid, apenas importados, o governo estadual afirma que é preciso ter cautela e continuar com os cuidados, mesmo com a melhora no cenário. 

Os casos ativos são aqueles em que as pessoas ainda podem transmitir o vírus. A queda no número fica mais vísivel se levar em conta o mesmo período no último mês. No dia 3 de julho, eram 19.857 - 8.027 a mais do que nesta semana. 

Outro índice que também aponta a queda é a média móvel diária, que passou de 6.188 no dia 4 de dezembro - maior desde o início da pandemia - para 1.429 casos ativos nesta terça-feira. 

Entre as cidades, ao menos 287 ainda têm casos ativos. No mapa abaixo, é possível ver que a redução é generalizada e ocorreu na maior parte do Estado nos últimos sete dias. 

Porém, em algumas cidades, tem ocorrido o contrário, com um leve aumento. Um exemplo é Rancho Queimado que, na última semana, estava com os casos zerados e, nesta terça, conta com seis ativos.

Já em relação as regiões, o Vale do Itajaí é a que tem a maior concentração de casos: 3.884. Em seguida vem o Norte (2.680) e o Oeste (2.358). Já a Serra aparece com o menor número, com 610 ativos até esta terça-feira. 

> Criciúma registra menor número de internações em cinco meses

SC também tem queda na morte de idosos

Além de casos ativos, o número de idosos vítimas da Covid-19 também tem caído em Santa Catarina. Em julho, por exemplo, o Estado registrou o menor número de mortes de pessoas entre 60 e 79 anos, desde outubro do ano passado - 340. Já entre 80 e 99, foram 76 vítimas, o melhor número desde novembro.

Para a infectologista Sabrina Sabino, o motivo para a queda, tanto de mortes quanto de casos ativos, é só um: a vacinação contra a Covid-19 em SC. Ela, que também trabalha na internação de pacientes, afirma que nas últimas semanas houve uma queda no número de hospitalizações de pessoas que fazem parte dos grupos proritários já contemplados. 

— O perfil mudou. Nós passamos de internar o vozinho com diabetes para atender ao jovem que não tem comorbidade e que ainda não vacinou. Ainda é um número grande, mas está bem mais tranquilo do que há alguns meses — pontua. 

O argumento também é compartilhado pelo superintendente em Vigilância em Saúde da Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC), Eduardo Macário. 

— Isso [queda nas mortes] é a prova de que a vacinação tem o seu efeito, principalmente na redução de casos graves, hospitalizações e, principalmente, da ocupação de leitos de UTI por idosos. Mesmo que ela não tenha a capacidade de bloquear a transmissão, a vacina é eficaz para controlar a gravidade da pandemia nesses grupos mais vulneráreis — salienta. 

Nesta terça-feira, Santa Catarina confirmou mais 44 mortes por Covid-19. Agora, desde o início da pandemia, são 18.067 vítimas. 

> Metade da população de SC recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid

Apesar dos números, variante Delta ainda preocupa 

Mesmo com a queda no número de mortes e casos ativos, outra questão também preocupa: a variante Delta. Até o momento, sete casos já foram confirmados em Santa Catarina, todos importados - seis em São Francisco do Sul e um em Itajaí. Mas, para Macário, "é questão de tempo" para que o Estado registre casos de transmissão autóctone. 

—Atualmente a nossa preocupação é com a variante delta, que tem se mostrado altamente transmissivel. Acreditamos que é a questão de tempo para que haja a identificação desses casos no nosso Estado. Por isso a nossa preocupação, mesmo com toda essa redução, é para que a sociedade catarinense se mantenha em alerta — salienta. 

Ele diz que o Estado já recolheu cerca de 200 amostras para investigação, desde que foram registrados casos no Rio Grande do Sul e no Paraná. Atualmente, dois exames - ambos de casos importados - ainda aguardam resultado da investigação epidemiológica.

Para a infectologista Sabrina Sabino, a vacinação continua sendo o melhor caminho para evitar a disseminação da variante.

— AInda não sabemos o comportamento e se ela é capaz de ser grave. Por isso, se as pessoas não se vacinarem, não vamos sair desse ciclo e estaremos com hospitais ainda com alas exclusivas para Covid e com uma grande troca viral — pontua.

Cuidados têm que continuar 

Por fim, o superintende de vigilância em saúde, Eduardo Macário, salienta que, além da vacinação, também é preciso que as pessoas continuem seguindo as medidas de proteção para evitar a disseminação do vírus, como o uso de máscaras e o distanciamento social. 

— Até que tenhamos 75% da população adulta vacinada, ainda há um longo caminho para percorrer. A primeira dose tem um certo nível de imunidade, mas é somente a segunda dose que você garante uma maior proteção, mesmo com a variante delta. Até lá, precisamos continuar convivendo com as regras e evitando aglomerações — afirma. 

Leia também: 

Intercâmbio de vacina contra Covid: saiba quem pode tomar segunda dose de laboratório diferente

Total de casos ativos de Covid-19 em Blumenau é o menor desde outubro de 2020

Na volta das escolas estaduais, secretário aposta em testagem de suspeitos

Colunistas