nsc
    dc

    Acompanhe

    Comissão Especial da Alesc vota relatório de impeachment contra Moisés e Daniela

    Após a leitura do parecer, relatório será votado pelos deputados que compõem a comissão

    15/09/2020 - 08h46 - Atualizada em: 15/09/2020 - 14h00

    Compartilhe

    Por Guilherme Simon
    Comissão impeachment na Alesc
    Comissão Especial do Impeachment na Alesc durante leitura do relatório nesta terça-feira
    (Foto: )

    A Comissão Especial da Assembleia Legislativa (Alesc) aprovou nesta terça-feira (15), por unanimidade, o relatório que pede o impeachment do governador Carlos Moisés da Silva (PSL) e da vice, Daniela Rinehr (sem partido). O parecer do relator, o deputado estadual Luiz Fernando Vampiro (MDB), foi aprovado por unanimidade, com nove votos a favor. 

    > Contra o impeachment, Moisés conta hoje com apenas seis votos na Alesc

    Luiz Fernando Vampiro iniciou a apresentação do parecer por volta das 9h20min e concluiu a leitura por volta do meio-dia. Ele recomendou o proseguimento do processo de impeachment contra o governador e a vice-governadora, como havia antecipado a colunista Dagmara Spautz. Em seguida, os deputados que compõem a comissão também se manifestaram a favor da continuidade do processo.

    Acompanhe ao vivo

    Agora, o documento será transformado em um projeto de decreto legislativo para ir à votação em plenário. Prevista inicialmente para o dia 22 de setembro, a votação deve ser adiantada para esta quinta-feira (17).

    > Denunciado por lavagem de dinheiro, Julio Garcia pode assumir o governo em caso de impeachment

    O processo de impeachment contra o governador, a vice e o secretário de Administração tem como base a equiparação salarial dos procuradores do Estado, motivo da denúncia feita pelo defensor público Ralf Zimmer Júnior.

    No pedido de impeachment, o defensor público considera que Moisés, Daniela e Tasca cometeram crime de responsabilidade na concessão de reajuste salarial dos procuradores do Estado, em outubro de 2019, visando à equiparação com os salários dos procuradores da Assembleia Legislativa. Ele argumenta que o reajuste foi concedido de forma ilegal, sem autorização legislativa, por meio de procedimento administrativo sigiloso.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Política

    Colunistas