nsc
    dc

    Violência

    Como proteger as crianças de abusos e entender os sinais de atenção

    Veja as dicas sobre como abordar o assunto e como identificar uma situação de abuso

    25/08/2020 - 06h00 - Atualizada em: 26/08/2020 - 10h49

    Compartilhe

    Clarissa
    Por Clarissa Battistella
    Lucas
    Por Lucas Paraizo
    Confira dicas para proteger crianças de abusos
    Confira dicas para proteger seus filhos de abusos
    (Foto: )

    Para combater o estupro e o abuso sexual entre crianças e adolescentes, é importante saber identificar os crimes. Sinas de atenção e a forma de falar sobre a situação são essenciais nesse combate. Por isso, conheça dicas sobre como abordar o assunto e entenda como identificar uma situação de abuso.

    Uma menina de 10 anos foi autorizada a fazer um aborto legal no Espírito Santo, após engravidar do tio que a violentou desde os seis anos de idade. Foram necessários quatro anos para que os abusos cometidos por um familiar, antes considerado de confiança, viessem à tona. E o caso somente foi descoberto porque a criança engravidou.

    > SC registra mais de um aborto por mês em meninas entre 10 e 14 anos

    Assim como essa menina, que carregará danos irreparáveis por toda a vida, muitas outras são abusadas diariamente no Brasil, onde 63,8% dos estupros registrados tiveram como vítimas crianças e adolescentes com até 14 anos de idade. Também, da mesma forma como ocorreu com ela, outras 75,9% vítimas foram violentadas por pessoas próximas e com algum tipo de vínculo, conforme aponta o Anuário Brasileiro de Segurança Pública de 2019.

    E o fato dessas vítimas não relatarem a violência sexual que sofrem ocorre porque “muitas vezes a criança leva tempo para entender que o abuso não é um carinho”, segundo a delegada Patrícia Zimmermann D’Ávila, que coordena as delegacias de de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso (DPCAMI) no Estado.

    - A gente precisa falar de abuso porque é algo que está muito próximo da gente. E eu não posso dizer que há um indicativo, nesses casos, sobre onde esses crimem ocorrem com mais frequência. Ele (o crime) não tem classe social e nem grau de instrução - alerta, ao lembrar de casos que acompanhou.

    > Violência doméstica: mulheres agredidas podem fazer denúncias em farmácias de SC; saiba como

    Psicóloga e policial civil DPCAMI de Brusque, Aline Pozzolo Batista esclarece que muitas crianças que sofrem violência sexual não apresentam sinais ou sintomas do abuso, justamente por demorarem a compreender o que está acontecendo. Motivo porque, a também idealizadora do projeto “Proteja uma Criança” da Polícia Civil - ao lado da colega de Joinville, Cristina Weber - orienta aos pais a ter uma relação de confiança e de diálogo com os filhos desde muito cedo:

    - Esse abuso começa, de modo geral, sem violência física, até que a criança ganha confiança no adulto. Esse adulto vai minimizar a situação do abuso, dizer que é um carinho, que é uma brincadeira e a criança como não entende, vai entrar nisso. Quando ela se dá conta de que tem alguma coisa errada, o abusador começa com as ameaças. E é nesse momento que ela vai passar a apresentar algum sintoma. Quando esse abuso já for mais grave.

    > Confira uma reportagem especial do Diário Catarinense sobre o aborto legal em SC

    Os sinais que podem ser de agressividade, reclusão, isolamento, depressão ou medo, por exemplo. Mas os mesmos sintomas podem ser desencadeados por outras situações de estresse, segundo a psicóloga, que acredita ter um caminho mais abreviado e efetivo para a proteção dos filhos: diálogo e educação sexual.

    - Se você se atém a observar futuros sintomas, você deixa de fazer o que é mais importante para a prevenção, que é conversar com a criança. A maior ferramenta é o diálogo, fazer parte da relação com criança - orienta.

    > Saiba como proteger os filhos dos perigos da internet

    Além disso, a especialista reafirma a necessidade de abordar a educação sexual em casa, na escola e nas unidades de saúde:

    - A educação sexual começa cedo. Quando se ensina para criança o nome do genital, você está educando, porque pode prevenir um abuso. Você explica para a criança que se os genitais estão escondidas por uma calcinha ou uma cueca é porque ninguém pode colocar a mão. Porque deve estar protegido, é privacidade. 

    A policial civil, que realiza junto com a colega um trabalho de orientação para pais e profissionais online, também defende a abordagem do tema em escolas e unidades de saúde, porque se o abusador estiver dentro de casa, ele não vai trabalhar a prevenção com os filhos e nem permitir que alguém o faça.

    - E isso pode ser abordado quando a criança começa a falar. Porque, se ficar para mais tarde, você não previne. A maior faixa etária de vítimas é de cinco anos - orienta.

    Perguntas que ajudam a previnir o abuso sexual em crianças e adolescentes

    Pergunte diariamente:

    - Como foi seu dia?

    - O que você fez de legal?

    - Com quem brincou? Qual brincadeira?

    - O que você gostou de fazer? O que não gostou?

    - Tem algo que te deixa desconfortável?

    Depois de deixar a criança em algum conhecido, pergunte:

    - Como foi lá?

    - Alguém fez algo que não foi legal? 

    - Você gosta de lá? Não gosta?

    - O que vocês fazem lá que você gosta?

    Ao apresentar sinais de abuso, questione:

    - O que está acontecendo?

    - Estou percebendo "isso", como está se sentindo?

    Leia também

    > Conheça o passo a passo do atendimento às vítimas de violência doméstica nas Delegacias

    > Entenda o que são as medidas protetivas de urgência

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Polícia

    Colunistas