nsc
dc

Inusitado

"Condomínio" de casal de joão-de-barro é flagrado em semáforo de Florianópolis; veja vídeo

Espécie é comum na Capital, e costuma construir os ninhos entre abril e maio

13/05/2022 - 06h00 - Atualizada em: 13/05/2022 - 14h49

Compartilhe

Gabriela
Por Gabriela Ferrarez
Pode ver os "apartamentos" quem passa na rua Antônio Pereira Oliveira Neto em direção à Avenida Paulo Fontes
Pode ver os "apartamentos" quem passa na rua Antônio Pereira Oliveira Neto em direção à Avenida Paulo Fontes
(Foto: )

O "condomínio" de um casal de joão-de-barro foi flagrado em um lugar curioso no Centro de Florianópolis: um semáforo. Os três ninhos enfileirados, um de baixo do outro na esteira do sinal vermelho, chamam a atenção dos moradores. Um vídeo mostrou os apartamentos dos pássaros, que estão na época dos ninhos. 

Receba notícias de Florianópolis e região pelo WhatsApp

Os que passam na Rua Antônio Pereira Oliveira Neto em direção à Avenida Paulo Fontes, no centro da cidade, podem ver as casinhas.

De acordo com o professor do Departamento de Ecologia e Zoologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Guilherme Brito, a espécie é muito comum em Florianópolis, e utiliza os ninhos para por os ovos e criar os filhotes. A construção costuma ser entre maio e abril. 

— A grande maioria das aves se reproduz na primavera e verão, mas aparentemente joão-de-barro iniciam os trabalhos antes e também começam a construir os ninhos em abril e maio. O tempo de construção varia pois depende da oferta de chuvas e de barro — explica o biólogo.

Segundo Brito, o joão-de-barro só constrói o ninho em casal. Mesmo que divida a vida com a parceira, os pássaros da espécie são territorialistas, o que significa que o condomínio no semáforo pode não ter moradores nos três andares simultaneamente. Ele explica que o casal inclusive pode ter construído um apartamento em cima do outro.

O biólogo explica que o joão-de-barro não repete o local do ninho em anos consecutivos, e por isso, revezam entre três ou quatro locais, e reformam ninhos antigos.

— É impossivel ter três casais tão perto. Eles são territoriais, provavelmente são ninhos do mesmo casal utilizados em épocas distintas. Geralmente outros bichos aproveitam ninhos abandonados deles também, aves e outros animais — pontua Brito. 

E o professor destaca que existe apenas uma maneira de ver se alguma família está visitando ou reformando os ninhos: parar e observar. 

Veja o condomínio de joão-de-barro no semáforo

Leia também

Acidente envolvendo ônibus do transporte coletivo de Palhoça mata uma pessoa

Ursinhos de pelúcia motivam operação contra pirataria em SC e revelam esquema milionário

Quais os tipos de dengue e por que elas preocupam

Colunistas