Sob os aplausos do público e diante dos olhos repletos de brilho das companheiras de time, em uma fração de segundos a brusquense Ruth Mosimann Hoffmann entrou para a história do esporte, ao segurar a bola de vôlei com a mão esquerda e com a direita golpeá-la rapidamente para dar início ao clássico regional entre Brusque e Blumenau. A camisa 21 do Moda Brusque Vôlei deu o saque inicial do confronto válido pela 3ª rodada da Superliga B de vôlei feminino, no último dia 4, na Arena Brusque.

Continua depois da publicidade

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

O rally de pouco mais de 20 segundos terminou com ponto favorável ao adversário. Mas isso pouco importa. O que valeu mesmo é outro resultado: aos 85 anos, Ruth tornou-se a jogadora mais velha a atuar em uma partida oficial de todos os tempos. A marca deve ser incluída na próxima edição do Guinness Book of World Records, o livro dos recordes. 

Passados uns dias do feito histórico, a experiente jogadora não mediu palavras para definir aquele momento:

– Foi engraçado, emocionante e inusitado. Espero que ajude a popularizar ainda mais o vôlei em Brusque, trazer mais povo para o ginásio – diz ela.

Continua depois da publicidade

Confira o vídeo do momento histórico em Brusque

Dona Ruth tem história no vôlei. Natural de Brusque, ela lembra que sempre gostou de esporte e que era fissurada por bola. Nas palavras dela, “a única chance de jogar bola era jogar vôlei”.

– Comecei a jogar quando entrei para o ginásio (últimos anos do ensino fundamental). Depois, comecei a treinar e jogar no Bandeirantes – conta ela.

> Super Bowl 2022: confira o horário, onde assistir e detalhes do evento

Em 1960, aos 24 anos, ela disputou a 1ª edição dos Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc), em Brusque. Mas não foi pela cidade natal. Ela vestiu as cores de Florianópolis, onde atuava no Clube Universitário. Conquistou o título e ganhou muito mais do que uma medalha: naquele ano, Ruth casou e decidiu voltar para o Vale do Itajaí. Foram mais 12 edições de Jasc em quadra, até a aposentadoria das quadras.

– Estava de resguarda da minha filha mais velha. Quase nem joguei, em 1972 – recorda-se a experiente atleta.

Continua depois da publicidade

Ruth é mãe de três filhos, duas meninas e um rapaz. E fala com alegria sobre a relação de todos com o esporte:

– As duas jogaram vôlei e o rapaz jogou futebol – diz ela, contente.

Dona Ruth posa para foto antes da partida
Dona Ruth posa para foto antes da partida – (Foto: Sidney Silva, Divulgação)
Dona Ruth conversa com uma das colegas de equipe durante o aquecimento
Dona Ruth conversa com uma das colegas de equipe durante o aquecimento – (Foto: Sidney Silva, Divulgação)
Jogadoras reunidas antes do começo do jogo
Jogadoras reunidas antes do começo do jogo – (Foto: Sidney Silva, Divulgação)
Animação e emoção nos cumprimentos às colegas de time antes do início do jogo
Animação e emoção nos cumprimentos às colegas de time antes do início do jogo – (Foto: Sidney Silva, Divulgação)
Dona Ruth revive o ritual pré-jogo, ao cumprimentar cada uma das companheiras da equipe
Dona Ruth revive o ritual pré-jogo, ao cumprimentar cada uma das companheiras da equipe – (Foto: Sidney Silva, Divulgação)
Sob aplausos, Dona Ruth caminha ao fundo da quadra para dar o saque inicial da partida
Sob aplausos, Dona Ruth caminha ao fundo da quadra para dar o saque inicial da partida – (Foto: Sidney Silva, Divulgação)
Foco na bola e concentração antes de dar o saque inicial da partida
Foco na bola e concentração antes de dar o saque inicial da partida – (Foto: Sidney Silva, Divulgação)
Concentração antes de sacar e fazer história
Concentração antes de sacar e fazer história – (Foto: Sidney Silva, Divulgação)
Dona Ruth em quadra
Dona Ruth em quadra – (Foto: Sidney Silva, Divulgação)

O legado de Ruth não para por aí. A camisa 21 do time de Brusque e avó de sete netos e bisavó de cinco bisnetos. No mês que vem completa 86 anos, e não se vê longe do vôlei: 

– Sempre que tem jogos em Brusque eu vou assistir. E acho que esse time do Brusque deste ano está forte, tem condições de subir (para a Superliga) – projeta. 

E se depender da Dona Ruth, o acesso da equipe brusquense virá, e não só pela torcida dela. Pois, o jogo em que ela deu o saque inicial, o time da casa levou a melhor sobre a equipe da cidade vizinha e venceu por 3 sets a 2, com parciais de 18/25, 25/19, 26/28, 28/26 e 15/9.

Continua depois da publicidade

> Faraco: Avaí tem conversa aberta com o técnico Alex, técnico do Sub-20 do SP

A Superliga B feminina de vôlei neste ano conta com 10 times, que brigam por duas vagas na elite nacional da próxima temporada. Santa Catarina tem dois representantes: Blumenau e Brusque.

Leia também:

> A teoria da evolução entra em campo: revelado como atacante, Andrei brilha como zagueiro na Europa

> Por saúde mental, Medina não disputará etapa do mundial de surfe

> Catarinense Jeff Giassi é tricampeão da Porsche Esports Carrera Cup

Destaques do NSC Total