nsc
santa

Economia e turismo

Copo meio cheio e meio vazio representa sentimento do blumenauense quanto à Oktoberfest

Pesquisa Focus, da Furb, mostra que moradores da cidade reconhecem a importância da festa e sentem falta dela, mas ao mesmo tempo temem aceleração da pandemia de Covid-19

10/07/2021 - 07h52 - Atualizada em: 10/07/2021 - 08h03

Compartilhe

Bianca
Por Bianca Bertoli
Blumenauense sabe da importância da festa e de turistas, mas teme avanço da pandemia
Blumenauense sabe da importância da festa e de turistas, mas teme avanço da pandemia
(Foto: )

Sabe aquela história da polarização de “saúde versus economia” que tanto se debateu desde o início da pandemia? Pelo menos no que diz respeito às questões do turismo e da Oktoberfest, esse antagonismo fica só nas redes sociais. É o que mostra uma pesquisa do Projeto Focus, da Universidade Regional de Blumenau (Furb), publicada com exclusividade pelo Santa.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

Isso significa que na vida real a preocupação dos blumenauenses é com ambos: a maioria entende a importância dos visitantes e da festa, ao mesmo tempo em que teme uma agravação da crise sanitária por conta da circulação de turistas.

— Às vezes a gente olha as redes sociais e parece que o mundo está dividido em dois, mas tem um universo de pessoas entre as duas pontas e que é a maioria, que está no meio-termo. A pesquisa não me surpreendeu porque reflete o sentimento coletivo. Sabe aquela história do copo meio cheio ou meio vazio?

Cynthia Boos de Quadros, coordenadora do projeto, quer dizer que o debate não se restringe entre os que defendem um combate rigoroso ao vírus, com fechamento de comércio e outros sacrifícios à economia, e os que colocam o dinheiro em primeiro lugar. A maioria fica na metade do caminho. Não é possível encher o copo.

> Agressor denunciado com sinal de 'X' em farmácia de SC se apresenta à polícia

Na pesquisa feita com 600 moradores de todos os bairros da cidade, os entrevistados tiveram de responder a um questionário sobre Oktoberfest, tradições germânicas e turismo na pandemia. Os percentuais se diluem em cinco alternativas que vão do “concordo totalmente” até o “discordo totalmente”.

O copo meio cheio fica evidente quando 74% reconhecem, totalmente ou em partes, a importância dos turistas para a economia local durante a pandemia, mas quase 69% também acreditam que os visitantes aumentam o risco de infecção por Covid-19. É o copo meio vazio. Para 92% a Oktoberfest é importante para promover o turismo em Blumenau e 63% sentiram falta do evento no ano passado.

—  É o “quero [a festa], mas tenho medo [da contaminação por Covid-19]”. As pessoas depositam mais expectativas na Oktoberfest hoje em relação a anos atrás porque está todo mundo sentindo falta do lazer — analisa a professora.

Uma outra Oktoberfest

O meio-termo é bandeira levantada pela prefeitura de Blumenau desde a chegada do coronavírus. É preciso equilibrar a balança da economia e saúde, dizia o prefeito Mário Hildebrandt (Podemos) nas transmissões que eram feitas diariamente para atualizar a população sobre o então desconhecido vírus, que começava a aterrorizar a cidade.

Quando se trata de uma festa do tamanho da Oktoberfest, porém, é impossível equilibrar os pesos. E nessa polarização inevitável, ganha a saúde, garante o secretário de Turismo e Lazer, Marcelo Greuel:

— Todo o trade espera a festa em pé, mas eu sempre digo que a prioridade número um é a saúde.

> Blumenau sente falta da Oktoberfest? Uma pesquisa da Furb tentou descobrir

Se ocorrer, a Oktoberfest Blumenau não será nos moldes tradicionais. Desfiles, pista de dança e atrações que possam aglomerar pessoas foram descartados no plano B. Em lugar da folia imagina-se um evento gastronômico, com reserva de mesas e, no máximo, bandinhas animando o ambiente.

— Inicialmente a ideia da pesquisa era saber se as pessoas iam aderir à Oktoberfest em um formato diferente. Mas não tem como projetar o cenário de outubro, seria até irresponsável abordar dessa forma — revela a coordenadora do projeto Focus.

Uma escolha

É justamente por conta da imprevisibilidade que especialistas condenam a realização de eventos como este. Para o infectologista Amaury Mielle, Blumenau e todas as demais cidades do Brasil “estão voando às cegas”, já que não há um mapeamento das variantes que podem estar atuando em cada região.

— Penso que qualquer evento que traga pessoas de outras regiões é uma maneira de difundir as variantes de um lado para o outro. Estamos com a cobertura vacinal muito discreta — explica.

> Beto Carrero vai dar ingresso grátis para quem tomar segunda dose da vacina contra Covid-19

Sem saber do comportamento da pandemia em um futuro próximo e com as inconstâncias no ritmo da vacinação, os turistas acabam simbolizando o perigo, como percebido pelos blumenauenses na pesquisa. E, apesar de importante para a cidade, a Oktoberfest esbarra nas mesmas questões, justamente por ser sinônimo de aglomeração e por atrair visitantes.

— Planejar a Oktoberfest implica em trabalhar na produção da festa a partir de agora. Nesse mar de incerteza que a gente navega, não vejo a menor viabilidade de fechar uma data e ter segurança de que estaremos em um patamar de tranquilidade — ressalta o infectologista.

Para quem está otimista quanto aos próximos meses e acredita que o avanço da imunização não terá mais contratempos, como o presidente do Conselho Municipal de Turismo de Blumenau, Ulysses Kreutzfeld, mesmo com restrições a Oktoberfest poderia representar a virada de página destes meses difíceis.

— A resposta para tudo está na vacina, mas acho que se for em um ambiente seguro terá adesão. Poderia ser o marco da retomada para muitas famílias — defende Kreutzfeld.

Todos os prós e contras sobre a realização da Oktoberfest 2021 estão sobre a mesa do prefeito. Caberá a ele decidir para qual lado a balança penderá. Copo meio cheio? Meio vazio?

Orgulhoso das tradições, mas desengajado

A pesquisa também revelou o orgulho que os blumenauenses têm da cultura alemã da cidade. Porém, apesar de quase 90% dos entrevistados afirmarem esse sentimento, total ou em parte, apenas 27% garantiu que se envolvem em atividades que ajudam a compreender a cultura alemã.

— Talvez esteja faltando engajamento com a cultura. Ir a museus, teatros, clubes de caça e tiro... Essa tradição mais “raiz” acabou se perdendo um pouco — avalia Cynthia.

O sentimento coletivo de admiração pela cidade, no entanto, é alto: 83% gostam e têm orgulho do lugar onde vivem. O índice é o mesmo entre os nascidos no município ou não. Prova de que quem escolhe morar em Blumenau adota a cidade como sua.

Ficha técnica da pesquisa

Amostra: 600 entrevistas por WhatsApp

Coleta de dados de 1 a 15 de junho

Margem de erro: 4%

Intervalo de confiança: 95%

Público: 52% mulheres; 58,8% nascidos em Blumenau; 59,5% com descendência alemã

Leia também

Cooperativa de SC fecha parceria com ONG fundada por estrela de Hollywood

Beto Carrero vai dar ingresso grátis para quem tomar segunda dose da vacina contra Covid-19

Blumenau tem maior número de novos casos diários de Covid-19 desde março

O que você quer saber sobre Blumenau? O colunista Evandro de Assis descobre para você

Colunistas