nsc

publicidade

A Vida Com Vida

Coração de doador catarinense é transportado por mais de mil quilômetros para salvar vida

Captação aconteceu em Joinville e transplante foi feito em questão de horas em Brasília, nesta quinta-feira

23/08/2019 - 11h54 - Atualizada em: 23/08/2019 - 12h16

Compartilhe

Luan
Por Luan Martendal
Transporte de coração de Joinville para Brasília aconteceu na quinta-feira
Transporte de coração de Joinville para Brasília aconteceu na quinta-feira
(Foto: )

O coração de um jovem joinvilense de 24 anos foi transportado por cerca de 1,5 mil quilômetros até Brasília, a capital federal, para proporcionar uma nova vida a uma paciente do Instituto de Cardiologia do Distrito Federal (ICDF). A operação de transporte aconteceu na manhã desta quinta-feira (22) e contou com auxílio de unidades de saúde das duas cidades, Polícia Militar (PM), um avião da Força Aérea Brasileira (FAB), e um helicóptero do Corpo de Bombeiros Militar do DF.

A captação do órgão aconteceu no Hospital Municipal São José, de Joinville, depois que a família autorizou a doação dos órgãos do rapaz, vítima de complicações de hidrocefalia. A morte cerebral aconteceu na terça-feira (20), porém os principais órgãos do corpo estavam preservados, sendo possível a doação do coração, dos pulmões, dos rins, das córneas e do figado a pacientes diferentes.

Tudo só foi possível porque a família de Joinville, mesmo em um momento de dor, conseguiu dar um "sim" para as pessoas que dependem de um transplante. Este foi o primeiro caso do ano na cidade em que foi possível coletar todos os órgãos e tecidos de um único doador.

Neste caso, a doação do coração foi feita a uma mulher de 44 anos. Segundo Aline Lopes, enfermeira do Hospital São José, a receptora estava cadastrada num banco nacional de transplantes e era totalmente compatível com as características do jovem.

Saiba em que casos pode ser feita a doação de órgãos em vida

FAB transportou o coração de Joinville para Brasilia
FAB transportou o coração de Joinville para Brasilia
(Foto: )

Corrida pela vida

Desde então, houve uma corrida contra o tempo para que o coração do joinvilense chegasse em boas condições para que o transplante ocorresse no ICDF — a viagem levou menos de duas horas e o tempo máximo que o coração pode ficar fora do peito até o transplante é de quatro horas. A captação do órgão começou por volta da 1h30 e às 5h50 o coração deixou o Hospital São José em uma viatura da Polícia Militar (PM). O órgão seguiu até o Aeroporto de Joinville e foi transportado de avião até Brasília por uma aeronave Learjet U-55, do Esquadrão Guará, da Força Aérea.

Na capital federal, uma equipe do Corpo de Bombeiros Militar do DF aguardava a chegada do coração para levá-lo até o Instituto de Cardiologia. Era 6h40 da manhã quando o helicóptero RESGATE 03 decolou da sede do Grupamento de Aviação Operacional (GAVOP), com destino a Base Aérea de Brasília. Às 7h35 a aeronave da FAB efetuou o pouso e em seguida o CBMDF completou a missão, levando o coração do catarinense até o INCOR.

De acordo com o Instituto de Cardiologia do Distrito Federal, o transplante aconteceu ainda na manhã de quinta-feira (22), a cirurgia durou três horas, foi um sucesso e a paciente que recebeu o órgão passa bem. Em 10 anos a instituição já realizou 258 Transplantes Cardíacos.

O Hospital São José de Joinville não repassou a identidade do doador.

Acompanhe como foi a chegada do coração ao Distrito Federal:

Leia Mais:

A emocionante escolha da família de Renato Bini

Após transplante de medula, tenista de SC participa de jogos mundiais na Inglaterra

Deixe seu comentário:

publicidade