A banda manezinha mais amada de Santa Catarina, Dazaranha, completa 30 anos em 2022 e celebra o momento com um show aberto no sábado (8) em um lugar que tudo tem a ver com essência do grupo. O Largo da Alfândega, em Florianópolis, é patrimônico histórico da cidade e, assim como o Daza, é da cultural local. 

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp

Os músicos Adauto Charnesky (baixo), Chico Martins (guitarra e vocal), Fernando Sulzbacher (violino), Gerry Costa (percussão), JC Basañez (bateria) e Moriel Costa (vocal e guitarra) elevaram a música catarinense à nível nacional com canções como Vagabundo Confesso, do álbum Tribo da Lua (1998).

O Dazaranha iniciou oficialmente em 1992, mas a história é anterior. Os irmãos Gerry, Gazu e Moriel amavam música e capoeira. Assim, reuniram outros amigos que eram apaixonados pela cultura nativa de Florianópolis e queriam produzir música autoral. 

Dazaranha celebra 30 anos com show gratuito em Florianópolis

Continua depois da publicidade

Através de letras que falam de natureza, amor e vida, o Dazaranha conquistou os corações dos catarinenses. Por onde passam, são recebidos com carinho. Muitas pessoas acompanham a banda desde o início e outras várias conheceram há pouco, mas já sabem ecoar Dia Lindo, Fé Menina e Ô Mané.

30 Anos do Dazaranha

Para celebrar o “trintou” do Daza, reunimos a banda no estúdio Caixa D’Água, em Florianópolis, que é conhecido como “o lar” deles. Com muito bom humor, eles relembrar memórias e escolhem as músicas que se destacam em cada década da trajetória deles.

E homenagem à escolha dos músicos, a reportagem será conduzida com as três músicas simbólicas para a banda. Cada uma marca uma década da carreira. Para contar sobre esse tempo, convidamos os músicos, um jornalista, produtores musicais e, é claro, um fã:

Vagabundo Confesso – Primeira década

“Eram as músicas mais maravilhosas que já tinha escutado aqui em Floripa, tem tudo a ver com a cidade”. Assim André Seban descreve o momento em que conheceu, desprentesiosamente, o Daza, em 1991. Ele trabalhava como recenseador do IBGE em Florianópolis e fazia as perguntas em casas onde atualmente é o bairro João Paulo. O local fica próximo ao conhecido estúdio do grupo, a Caixa D’água. Em um dia de trabalho, a música da banda lhe chamou atenção. 

Continua depois da publicidade

— Estava passando na frente de onde era o galpão da [escola de samba] Protegidos da Princesa, aí escutei um som. Eu já tinha uma banda de rock chamada Udigrudis. Então pensei: “essa casa eu tenho que recensear, vou entrar”. Perdi um dia de recenseamento e passei a tarde toda lá. Lembro de algumas músicas que nunca chegaram nem a ser gravadas — revela Seban. 

A banda do recenseador tocava rock inglês e fazia muitos covers, o que era muito forte na época, segundo Moriel Costa. O vocalista e guitarrista do Daza acredita que o diferencial foi justamente se propor a fazer músicas autorais – gerou “identidade e representatividade”. Para Moriel, o som que chamou a atenção do público foi o violino, que não era muito comum nas bandas. 

Dazaranha será homenageado pela União da Ilha da Magia no Carnaval 2023

O jornalista cultural Emerson Gasperin conta que fez uma das primeiras entrevistas com a banda, em 1993, quando ainda era estudante da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). “Foi um choque”, lembra. Na avaliação de Gasperin, as músicas eram autorais e em português. Para ele, o contexto da época era de uma “troca de guardas” no rock pop nacional, e o Dazaranha representava esse movimento no Estado.  

— Aquela geração dos anos 80 de Paralamas, Titãs, Barão Vermelho, ainda estava no cenário, mas estava chegando Skank, Raimundos, Nação Zumbi. O Dazaranha, de certa forma, era o nosso representante aqui (em SC). Eles exploravam muito as brasilidades, com influências gringas, mas deixando claro que eram brasileiros — afirma Gasperin.

Continua depois da publicidade

O especialista em cultura ainda comenta que a banda era “pop” a ponto de ser ouvida em outros Estados, mas sem perder a identidade catarinense.

Confira a nova música do Dazaranha: “Saiu da Vida Torta”; veja o vídeo

Um período mágico, é assim que o vocalista e guitarrista do Dazaranha, Chico Martins, relembra o início. Diz que rapidamente passaram a ser chamados para bares, festas, e os fãs começaram a surgir. 

— Foi uma cachoeira de novidades incentivando esse sonho que a gente construiu ali na brincadeira — comenta Martins. 

O primeiro disco Seja Bem Vindo (1996) falava de natureza, do mar, das cidades e praias catarinenses. Com o segundo álbum Tribo da Lua (1998), o grupo se consagrou nacionalmente com o hit Vagabundo Confesso. Sobre essa canção, o percussionista Gerry Costa lembra que ela já era usada em rodas de capoeiras, mas foi musicalizada por Moriel. Explica que a letra fala de um “bom vivant” que fica na praia, tomando água de côco e sem “fazer nada a não ser se dedicar a si mesmo”.

Continua depois da publicidade

Salão de Festa A Vapor – Segunda década

“Expressão da conexão com a cultura raiz litorânea”. É assim que Evelin Orth, uma das principais produtoras culturais em SC, sintetiza o que muitos catarinenses sentem pela banda. Ela diz que se trata de uma “fórmula” especial:

— Eles representam através do ritmo, das letras e do seu jeito de ser aquilo que expressa o catarinense, a cultura açoirana da Ilha. Isso faz o público se identificar […] e ser verdadeiro em seu conceito, faz o artista ter uma trajetória longa.

Eveline relembra que trabalhou na produção do primeiro DVD da banda, gravado em dezembro de 2008, no Centro Integrado de Cultura (CIC), e lançado em 2010 pela Universal Music. Um marco dessa gravação foi a participação especial de Armandinho, na música Salão de Festa a Vapor. O grupo e o cantor, inclusive, voltaram ao palco juntos em julho deste ano no Hard Rock Live Florianópolis

Dazaranha prepara websérie sobre a história da banda

Com muito bom humor, o baixista Adauto Charnesky comenta sobre a continuidade do grupo, que, segundo ele, se dá pelo “incômodo”. Ele explica que para o trabalho andar, um incentiva o outro a fazer diferente: 

Continua depois da publicidade

— A gente depende muito um do outro. Se pensarmos em ficar acomodados, acaba tudo. 

Além do registro audiovisual, na segunda década do Daza, os discos Nossa Barulheira (2004) e Paralisa (2007) também foram gravados, com sucessos como Ô Mané e Com ou Sem

Confira abaixo galeria de fotos com a história do Dazaranha.

Afinar As Rezas – Terceira década

“Ser a voz da música catarinense é suficiente para acordar todo dia com muita vontade”. Essas é a frase que resume o sentimento de “trintar” com o Dazaranha neste ano, segundo Moriel Costa. 

Em uma fase madura e consolidada, a banda lançou três grandes discos, Daza (2014), Afinar as Rezas (2016), Catarina (2019), e neste ano, o especial Trinta Anos. Para Moriel, o “afago e carinho” dos fãs da banda são a motivação para estarem vivendo esse momento juntos, que é comemorado com novas músicas, entre elas, Saiu da Vida Torta, que já é tocada em alguns shows. 

Chico Martins revela que pensa sobre a banda Rolling Stones, que tem 60 anos de carreira, e “não precisaria mais fazer shows”. Para ele, a banda britânica e o Dazaranha têm a mesma vontade em comum: de continuar com a música. Ele diz que não imagina ficar sem a experiência, desde subir no ônibus para ir a shows até conversar com os fãs. Além disso, Chico revela que a música que ele mais se impressiona de como atinge o público que acompanha eles é Afinar As Rezas.

Continua depois da publicidade

Dazaranha anuncia música em parceria com Vitor Kley

Integrante que ainda debuta na banda, o baterista JC Basañez, afirma que aprende todos os dias com os colegas e amigos. Para ele, o Dazaranha é uma grande prova de amor pela música, pela arte, principalmente em Santa Catarina. 

— Esses dias estava conversando com eles sobre as limitações que o nosso Estado tem para fazer uma banda crescer, né? As limitações das casas que a gente toca, das empresas. Às vezes a gente vai em cidades que não tem nem hotel para receber toda equipe, a gente acaba dando um jeito. Então, assim, uma das coisas que aprendo todo dia aqui é a resistir — afirma Basañez. 

A produtora cultural Ivanna Tolotti, que trabalha em SC desde 2000 e é dona da Tum Cult, afirma que o Dazaranha é “um case de sucesso” da música autoral, e deve ser seguido. Isso porque tudo que envolve a produção musical e a cultura gera renda e resultados, inclusive no turismo. 

— Eles geram empregos, renda, eleva no nome da cidade no estado e no país, movimentam a economia, setor de alimentos, bebidas, técnicos, produtores, o turismo e a cultura da nossa terra — comenta Tolotti. 

Continua depois da publicidade

O jornalista Emerson Gasperin reitera a importância do Dazaranha em Santa Catarina. Ele conta que quem é de fora pode não entender, pode achar uma banda como todas outras, mas para o Estado foi algo nunca visto. “Eles mostraram que sim dá para viver, fazer carreira, fazer sucesso com musica autoral em SC”, reitera Gasperin. 

SC tem momnto de “boom” cultural; entenda

Mesmo com tanto tempo de estrada, o Dazaranha parece continuar no mesmo ritmo que sempre esteve: alegre, alto astral e fazendo muitos shows. Eles chegam a fazer três apresentações por dia, durante o verão, e rodam pelas mais diversas cidades do interior de Santa Catarina, até festivais em outros estados. 

Como um marco para mostrar que continuam se renovando, eles lançam, neste mês, o álbum Trinta Anos com dez novas músicas inéditas nas plataformas de streaming. O show comemorativo da banda, neste sábado, vai unir o que é a essência e tradição do grupo com a vontade de se reinventar e continuar produzindo por muito mais tempo. 

Confira playlist com as músicas mais tocadas do Dazaranha

Leia também:

Evento promove tarde de negócios com foco na economia criativa de Florianópolis

Continua depois da publicidade

Cor rosa ilumina instituições de saúde em Florianópolis

Músico americano Sami Chohfi se apresenta pela primeira vez em SC

Destaques do NSC Total