nsc
dc

Estrela

De ator a apresentador: relembre carreira de Jô Soares

Ele foi humorista, ator, roteirista, jornalista e apresentador

05/08/2022 - 08h54

Compartilhe

Mayara
Por Mayara Souto
Jô Soares
Jô Soares faleceu nesta sexta-feira (5)
(Foto: )

Jô Soares foi um artista completo. Trabalhou como ator, roteirista, apresentador e diretor. Ele protagonizou um dos mais famosos e icônicos programa de entrevistas brasileiro, o "Programa do Jô". Assim, ele tornou-se uma das figuras mais marcantes da TV no Brasil. Jô morreu aos 84 anos em São Paulo na madrugada desta sexta-feira (5). Ele estava internado desde julho no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, para tratar de uma pneumonia.

Receba notícias do DC via Telegram

José Eugênio Soares nasceu em 16 de janeiro de 1938 no Rio de Janeiro. Aos 12 anos, mudou-se com a família para a Europa. Chegou a pensar em seguir carreira diplomática pela facilidade com idiomas, que o tornou poliglota. Porém o amor pela arte falou mais alto.

Com muito bom humor, as conversas com o entrevistador rendiam sempre boas risadas ao público e até alguns contrangimentos aos convidados. O "Programa do Jô" iniciou em 2000 e foi ao ar durante 16 anos embalando a madrugada da TV Globo. Por ele, Jô Soares ficou marcado na memória dos brasileiros. Porém, a carreira iniciou muito tempo antes. 

O primeiro trabalho na rede Globo foi em 1970 com o programa 'Faça Humor, Não Faça Guerra', depois de passagens pelas TVs Continental, Rio, Tupi, Excelsior e Record. Em 1981, estreou 'Viva o Gordo', seu próprio programa. Além disso, participou de filmes, peças de teatro , escreveu para jornais como O Globo e Folha de São Paulo e nove livros. Ele também publicou sua própria biografia, "O Livro de Jô – Uma autobiografia desautorizada". 

O "beijo do gordo" se eternizou como a marca do apresentador. As brincadeiras consigo mesmo sobre ser gordo eram recorrentes, mas, para além disso, o artista via no humor formas de falar sobre a sociedade e a política. 

— O meu humor tem sempre um fundo político, sempre tem uma observação do cotidiano do Brasil. Os meus personagens são muito mais baseados no lado psicológico e no social do que na caricatura pura e simples — contou Jô em entrevista à Globo.

Relembre carreira em fotos

Leia também:

Repórter da NSC integra painel do Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo

Morre empresário catarinense ícone do motociclismo

Treinador de vôlei é preso por estupro e assédio de adolescentes em SC

Colunistas