nsc
dc

Entenda

Dengue está mais grave? Especialista explica

Santa Catarina registrou 30 mortes apenas neste ano

19/05/2022 - 16h52

Compartilhe

Diane
Por Diane Bikel
Pelo menos 21 municípios decretaram situação de emergência por causa da doença
Pelo menos 21 municípios decretaram situação de emergência por causa da doença
(Foto: )

O grande aumento no número de casos graves de dengue em Santa Catarina tem gerado preocupação aos municípios. Com pelo menos 21 cidades em situação de alerta, o Estado já soma 27 casos graves e 30 mortes em 2022. 

> Receba notícias do Diário Catarinense no Telegram

O número é alto na comparação com os últimos dois anos. Em 2020, Santa Catarina teve apenas um caso grave e nenhuma morte. Já em 2021, esses dados cresceram e o Estado chegou a registrar 10 casos graves e sete mortes.

Segundo o professor de Parasitologia da UFSC José Henrique Oliveira, apesar do grande aumento de casos graves da doença, não houve nenhuma mudança na biologia do mosquito. De acordo com ele, o número de positivados graves e mortes se dá por conta do aumento no número de casos. 

— Aumentaram os casos graves porque a frequência de dengue aumentou. O vírus não mudou de comportamento e não há variantes igual a Covid-19, não precisa fazer nenhum tipo de paralelo entre elas [doenças] — explica o especialista.

De acordo com ele, dias quentes e verões mais intensos podem colaborar com o aumento no número de mosquitos em circulação. O que, por consequência, ocasiona crescimento no número de confirmados.

> Cientista da UFSC estuda como adoecer mosquito para interromper transmissão da dengue

Com a chegada do frio, os dados tendem a diminuir e devem voltar a aumentar em novembro e dezembro. Conforme explica o professor de Parasitologia, as epidemias de dengue possuem um comportamento cíclico e acontecem a cada dois ou três anos.

— Não entendemos a natureza cíclica de epidemias, muitas coisas influenciam. Pessoas imunizadas com dengue, por exemplo, esse ano tem muita gente com a doença e isso gera anticorpo protetor por pelo menos um ano. Ano que vem, essas pessoas vão ser refratárias e isso faz com que o vírus circule menos. Isso é um elemento importante que acontece na ciclagem da epidemia, mas a gente ainda tem muita dificuldade de entender o porque ela vem e vai, são muitos fatores — comenta.

> Moradores flagram criadouro de dengue em piscina de casa abandonada em Florianópolis

Apesar de os pacientes desenvolverem anticorpos contra a doença, ainda é possível testar positivo para dengue. Conforme o que explica Oliveira, a dengue possui quatro sorotipos e. quando uma pessoa é atingida por um deles, apresenta imunidade apenas para o qual foi infectada. No entanto, caso venha a ser contaminada por outro, pode apresentar caso mais grave porque ao invés de proteger contra a doença, os sorotipos da dengue empurram o"novo" vírus para a célula. 

— Uma pessoa pode apresentar caso grave na primeira vez, em todos os sorotipos. A gente não entende o por que ainda. Mas, por exemplo, se a pessoa tiver problemas vasculares, a doença pode vir a ser mais severa — diz.

Os números, conforme explica o virologista da UFSC Daniel Mansur, são preocupantes, mas ainda baixos para uma situação epidêmica.

— Me parece ser só um reflexo no número de casos — afirma.

Epidemia em SC

Leia também

Tempestade Yakecan cancela voos em SC e aviões sem condição para pouso dão meia-volta

Homem invade imobiliária, rouba e tenta estuprar mulher em Joinville

Colunistas