nsc
an

TV

Desafio Sob Fogo: catarinense de Schroeder é um dos representantes do Brasil no reality

Júlio Lombardi tem 46 anos, e trabalha com cutelaria desde 2017

25/10/2021 - 08h39 - Atualizada em: 25/10/2021 - 08h55

Compartilhe

Marina
Por Marina Martini Lopes
Desafio Sob Fogo
A quarta edição do "Desafio Sob Fogo" estreia no History no dia 28 deste mês, com o catarinense Júlio Lombardi no elenco
(Foto: )

Um reality show em que os competidores precisam mostrar que são os melhores não no canto ou na cozinha - mas sim na forja: assim é o Desafio Sob Fogo Brasil e América Latina, do History, que reúne forjadores para disputar um prêmio de US$ 10 mil. A quarta edição estreia no canal por assinatura nesta quinta-feira (28), às 22h; e conta com um catarinense no elenco: é Júlio Lombardi, natural de Schroeder, que trabalha com cutelaria desde 2017.

> Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

Júlio, que hoje tem 46 anos, começou a se interessar por cutelaria (a fabricação de instrumentos de corte) na adolescência, quando se envolveu com a tradição e a cultura gaúchas: ao mesmo tempo em que passou a frequentar rodeios e festas campeiras em Santa Catarina, ele fazia curso de torneiro mecânico, onde aprendeu sobre processos como a têmpera (o resfriamento brusco de metais), que o ajudaram a começar a se aventurar pela forja.

Sua primeira forja, feita com as técnicas aprendidas no curso de torneiro mecânico, foi uma grosa: faca usada no casqueamento, processo em que se desbasta os cascos dos animais para fixação de ferraduras.

- Também por causa da tradição gaúcha, eu comecei a trabalhar com couro cru, então juntei as duas coisas: a cutelaria e a arte em couro - Júlio conta. - Em 2017 eu fui a uma feira em Nova Petrópolis, na serra gaúcha, e levei cinco facas para vender. Foi onde eu encontrei um amigo que passou a ser meu mestre na cutelaria: em 2017 fiz um curso com ele e passei a trabalhar exclusivamente com isso.

> Confira todos os lançamentos de novembro de 2021 na Netflix

Júlio diz que leva cerca de cinco dias para fazer uma faca, desde a forja até a finalização, com a inclusão da bainha. Todas as peças são criadas por ele mesmo.

- Hoje eu me considero um artista: o artesão é aquele que reproduz ou produz as peças conforme o cliente pede; e o artista é aquele que cria as peças e vende - explica. - Já recebi vários pedidos inusitados, mas eu procuro fazer aquilo que sei. Por isso sempre me mantive no meu nicho, que são as facas gaúchas, que o pessoal usa nos rodeios e nas festas campeiras.

Nas gravações para o Desafio Sob Fogo, porém, Júlio precisou sair um pouco da zona de conforto: as provas que vão ao ar a partir do fim do mês são baseadas na cultura pop; com peças como um facão ao estilo dos filmes de Indiana Jones. Os oito participantes se dividem em duas equipes de quatro forjadores - depois dessa primeira etapa, quem tiver a maior pontuação se classifica para a final; enquanto o segundo e terceiro colocados disputam a repescagem.

> Maid: conheça o elenco e a sinopse da nova série tendência da Netflix

O catarinense foi indicado para o programa pela carioca Juliana Baioco, que participou da terceira temporada, e faz parte do grupo de alunos do mesmo mestre de Júlio. Depois de uma série de testes e entrevistas, ele foi selecionado pela organização.

- Eu sempre assisti o Desafio Sob Fogo, até porque eu aprendo muito assistindo o programa - ele comenta. - É como quem gosta de futebol, que não perde um jogo. (risos) A expectativa para a estreia é grande, porque a gente não sabe como vai ser a edição do programa. Como a gente vai aparecer na telinha. Eu dei o meu melhor lá, e me diverti bastante. Fui eu mesmo. Os adversários se tornaram amigos. Acho que vai ser divertido assistir.

Mas, claro, nem tudo foi tão fácil:

- É muita pressão, pouco tempo... - ele fala, sobre a realização das provas no programa. - Uma faca aqui eu faço em cinco dias; lá, precisava fazer em três horas. São maquinários diferentes, materiais diferentes. Se errar uma estratégia, você está eliminado.

> Round 6: os jogos da série de maior estreia da Netflix

Júlio, que nunca tinha andado de avião, também adorou a viagem até a Cidade do México, onde o reality show foi gravado.

- Sobrevoar a Amazônia... Foi uma experiência única - comenta o cuteleiro. - A viagem foi maravilhosa.

As três primeiras temporadas do Desafio Sob Fogo Brasil e América Latina foram vencidas por brasileiros; e, nesta edição, o país está representado, além de Júlio Lombardi, por Roger Glasser e Silvana Mouzinho (segunda mulher a participar da competição). Há também dois forjadores mexicanos, um chileno, um colombiano e um argentino.

Leia também:

> Empresa lança cão robô armado, e web compara com episódio de Black Mirror

> Floripa Tap vai ter apresentações gratuitas e Noite de Gala em formato híbrido

> Historiadora resgata obra de português que usou a arte para denunciar infância vivida em reformatórios

Colunistas