nsc
nsc

Saúde

Dezembro Vermelho: o mês de prevenção e combate à AIDS

Campanha de conscientização e combate à doença ressalta a importância do diagnóstico e tratamento.

17/12/2021 - 08h42 - Atualizada em: 17/12/2021 - 10h25

Compartilhe

Estúdio
Por Estúdio NSC
Campanha mundial visa alertar a população para a importância dos exames preventivos.
Campanha mundial visa alertar a população para a importância dos exames preventivos.
(Foto: )

O Dezembro Vermelho é uma campanha de conscientização e prevenção ao HIV e à AIDS instituída pela Lei nº 13.504/2017. Ele vem para endossar e fortalecer as ações em prol do Dia Mundial contra a Aids, internacionalmente definido como o dia 1° de dezembro desde o ano de 1988. Por ainda ser um tabu para diversas pessoas, a doença acaba, muitas vezes, ignorada e negligenciada. Entretanto, fingir que a infecção não existe não garante proteção a ninguém. Por isso, é fundamental falar sobre prevenção, diagnóstico e tratamento.

O HIV é uma DST - Doença Sexualmente Transmissível, que se propaga através do sangue ou fluídos corporais. A replicação dentro do organismo pode ser lenta e silenciosa, sem apresentar sintomas durante meses ou até mesmo anos. Embora muitos confundam, HIV e AIDS são coisas distintas. O HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana, na sigla em inglês) é o agente causador da AIDS - Síndrome de Imunodeficiência Adquirida. Essa, por sua vez, ataca os linfócitos responsáveis por defender o organismo e enfraquece o sistema imunológico, deixando o caminho livre para as chamadas doenças oportunistas, como pneumonias severas, alguns tipos de câncer como o Sarcoma de Kaposi, e infecções parasitárias e fúngicas consideradas graves.

O HIV, quando não tratado, pode ser transmitido através de relações sexuais sem preservativo, contato direto com sangue contaminado, pelo compartilhamento de seringas, pela amamentação e durante a gestação, passando de mãe para filho. Por se tratar de infecções que podem passar despercebidas durante algum tempo, a prevenção deve estar sempre aliada a exames de rotina para não retardar um possível diagnóstico.

Laboratório SC é referência estadual em exames laboratoriais.
Laboratório SC é referência estadual em exames laboratoriais.
(Foto: )

— O diagnóstico precoce implica na adoção de medidas terapêuticas para conter a replicação viral e evitar o dano imunológico (instituição da chamada Terapia antirretroviral). Quanto mais cedo o diagnóstico, menor a possibilidade de evoluir para a doença — destaca o médico infectologista Amaury Mielle (CRM/SC 5889).

— A maioria dos diagnósticos ocorrem em pessoas sem sintomas que são portadoras do vírus. Quando os sintomas aparecem, a doença já está instalada. A sintomatologia é ampla e envolve perda ponderal (queima excessiva de calorias), astenia (perda ou diminuição da força física e resistência), linfonodos aumentados, infecções por fungos que podem atingir os pulmões, sistema digestivo e sistema nervoso central — alerta o especialista.

A importância da prevenção e do diagnóstico

Realizar exames periódicos também é uma forma de prevenção. Afinal, diagnosticar a infecção em seus estágios iniciais permite que o tratamento responda de forma mais ágil, reduzindo a carga viral até que se torne indetectável. Quando o tratamento é feito durante o pré-natal, parto e pós-parto, por exemplo, as mães portadoras do vírus têm 99% de chance de terem filhos sem o HIV.

— Todos deveriam fazer os exames ao menos uma vez na vida. Para as pessoas que mantêm relações sexuais frequentes, com multíplos parceiros, o ideal é testar ao menos uma vez por semestre. Numa relação estável em que se deseja abolir o uso de preservativos, o casal deve fazer o teste conjuntamente. No pré-natal, todas as gestantes são testadas, e isso mudou o perfil de incidência de AIDS — reforça o médico.

> Laboratório Santa Catarina completa 47 anos e lança nova identidade visual

O diagnóstico é feito a partir da coleta de sangue ou por fluido oral. O Laboratório Santa Catarina, referência em exames laboratoriais e análises clínicas no Estado, há 47 anos oferece segurança nos testes realizados. Para detectar o HIV, o laboratório disponibiliza três tipos de exames: o de anticorpos, de antígeno e de ácido nucleico (NATs). O teste de anticorpos busca identificar anticorpos para HIV no sangue ou no fluido oral. O de antígeno é capaz de captar tanto anticorpos quanto antígenos do HIV no sangue, ou seja, capta uma parte do vírus no material. Esses dois são a primeira opção de testagem. Já o teste de ácido nucleico detecta a presença do próprio vírus no sangue do indivíduo, e não apenas os anticorpos. Com ele, é possível diagnosticar a infecção em menos tempo comparado aos exames de sorologia.

Laboratório SC investe em tecnologia e profissionais altamente capacitados.
Laboratório SC investe em tecnologia e profissionais altamente capacitados.
(Foto: )

Realizar a testagem em um laboratório de excelência faz toda a diferença. Além da confiabilidade dos resultados, o Laboratório Santa Catarina valoriza e promove o atendimento humanizado com foco no acolhimento e no bem-estar dos pacientes. A missão da instituição é promover saúde e qualidade de vida através de exames laboratoriais seguros e eficientes. Por isso, investe em tecnologia e em profissionais altamente qualificados para realizar a coleta e a análise dos materiais em todos os procedimentos.

Além de oferecer resultados precisos, o Laboratório conta com coletas domiciliar e empresarial, área técnica com atendimento 24 horas, atendimento infantil especializado, sala de conforto para exames especiais e acesso a resultados de exames via internet.

Saiba mais sobre o Laboratório Santa Catarina acessando o site.

Leia também

Rede de laboratórios garante controle de qualidade da água da Casan

Conheça cinco destinos do litoral catarinense para se visitar de lancha

Colunistas