nsc
dc

Entrevista

“É possível harmonizar agricultura e meio ambiente", diz representante da SOS Mata Atlântica

Pelo menos dez cidades de SC registraram desmatamento entre 2018 e 2019

08/09/2020 - 11h22

Compartilhe

Por Ângela Bastos
mata atlantica sc
Pelo menos dez cidades de SC registraram desmatamento entre 2018 e 2019
(Foto: )

Santa Catarina registrou desmatamento em pelo menos dez cidades entre os anos de 2018 e 2019, conforme o Atlas dos Municípios da Mata Atlântica, iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica em parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Para o diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica, Mario Montovani, é possível melhorar esse cenário. Ele afirma que diferentes experiências no Estado mostram que é possível conciliar a preservação do meio ambiente, o desenvolvimento econômico e a agricultura. Confira a entrevista:

> Estudo da Fundação SOS Mata Atlântica aponta os dez municípios com mais desmatamento em SC

Santa Catarina sempre teve importância no tema Mata Atlântica. Este protagonismo permanece?

Santa Catarina sempre teve importância e é protagonista, seja para o bem ou para o mal. Todo o território do Estado tem um potencial de água extraordinário, uma biodiversidade incrível, uma fertilidade do solo inigualável. Por causa disso o Estado é um grande produtor em tudo o que faz. De outro lado, sem entender a agricultura moderna, a bancada ruralista sempre induziu os proprietários rurais a se posicionarem contra a legislação como se fossem prejudicados. Temos várias experiências no Estado que mostram ser possível a harmonização entre meio ambiente, desenvolvimento e agricultura.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

mario montavani
Mario Montavani, diretor de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica
(Foto: )

Qual a situação hoje?

Em muitas regiões do território catarinense já se trabalha com o bem-estar animal nas modalidades de cooperativas, verticalização da cadeia produtiva do frango, avanços na produção de suínos. Mas se percebe também absurdos, principalmente, em lugares em que o crime ambiental é favorecido pela aproximação de alguns dos pequenos produtores para que as últimas araucárias de suas propriedades sejam desmatadas.

Mas não há fiscalização? O Estado não está atuando?

O Estado tem tomado atitudes em relação a preservação e muitos municípios têm suas estruturas ambientais trabalhando para fazer a adequação das propriedades. Mas o ponto mais positivo continuará sendo o despertar da consciência ecológica do agricultor catarinense. O Atlas aponta para isso: quem quer proteger o clima, o solo e a mata, precisa ter um olhar para o meio ambiente.

> O que as queimadas no Pantanal podem ensinar aos catarinenses

Temos 10 municípios entre os 100 que mais desmatam. Qual o impacto disso?

A lei da Mata Atlântica produz o uso e a proteção dessa floresta. Está muito bem regulamentada em Santa Catarina. Quando a gente ver alguém desmatando fora da condição de utilidade pública e do interesse social se presencia um crime, e o Ministério Público tem sido um grande parceiro e tem agido e continuará agindo. Devemos esclarecer que estamos falando de um estado onde a lei aplica-se a apenas de 20% a 22% do território, ou seja, temos 80% de terras livres para atividades.

O que dizer para tantas famílias que precisam viver da agricultura?

Santa Catarina pode fazer uma atividade agrícola sem incorrer no crime. O agricultor pode ter incentivo, e um valor agregado, e é isso que a gente propõe: a gestão florestal na área dos municípios. Não há conflito entre agricultura e questão ambiental. Temos muitas experiências nascidas de parcerias que provam isso.

Leia também:

Macuco é filmado em Florianópolis após 20 anos; veja vídeo

IMA lança ferramenta que vai facilitar licenciamento ambiental em SC

Amazônia pode ser “maior repositório de coronavírus do mundo”, diz cientista brasileiro

Agricultura de precisão ajuda a elevar a produtividade no campo

Colunistas