nsc
    hora_de_sc

    Pesquisa

    Macuco é filmado em Florianópolis após 20 anos; veja vídeo

    Armadilhas fotográficas registram espécies de aves e mamíferos, além de ajudar no levantamento de anfíbios e répteis e a análise do ecossistema em geral

    07/08/2020 - 11h20 - Atualizada em: 11/08/2020 - 12h58

    Compartilhe

    Lariane
    Por Lariane Cagnini
    macuco
    Ave chegou a ser cogitada como extinta na região pelos pesquisadores
    (Foto: )

    Em dez meses de monitoramento, o Fauna Floripa já registrou dezenas de animais silvestres, mas um deles é especial. Um Macuco foi filmado na Ilha de Santa Catarina após 20 anos, segundo o grupo. A ave chegou a ser cogitada como extinta na região pelos pesquisadores, mas foi "flagrada" pelas armadilhas fotográficas espalhadas pela vegetação.

    > Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

    Outro animais como o cachorro-do-mato, gavião-pombo-pequeno, gambás, macacos prego, rãs e pacas também foram regustrados na área de Mata Atlântica, que compõe grande parte do território de Florianópolis.

    — Ficamos muito felizes em saber que o macuco ainda está andando por nossas matas graças às políticas ambientais de conservação e fiscalização praticada por nossos parceiros – disse Barbara Lima, estudante de Ciências Biológicas da UFSC e participante do Projeto.

    > Macuco filmado em Florianópolis é ameaçado pela caça ilegal e destruição do habitat

    O Projeto Fauna Floripa é composto pela Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram), Instituto do Meio Ambiente (IMA) e Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O macuco foi flagrado pelas armadilhas fotográficas em novembro do ano passado, mas a informação foi divulgada recentemente pelos pesquisadores.

    No início, o foco do projeto era fazer o levantamento de espécies de aves e mamíferos na Ilha de Santa Catarina. Com a evolução dos estudos, o levantamento de anfíbios e répteis, e a análise do ecossistema em geral incluindo o monitoramento da flora, também foram incorporados aos estudos. 

    > O vírus está nas roupas, nos sapatos, no cabelo ou no jornal?

    Conforme o grupo de pesquisadores, as armadilhas fotográficas contribuem para a elaboração de estratégias de conservação a longo prazo, como a possibilidade da reintrodução da fauna nativa em algumas regiões.

    Leia também:

    Serpentes são resgatadas de cativeiro ilegal em bairro de Joinville

    Dez tartarugas são encontradas mortas em Barra Velha

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas