nsc
hora_de_sc

Meio ambiente

Macuco filmado em Florianópolis é ameaçado pela caça ilegal e destruição do habitat

Esse foi o primeiro registro em imagem da presença da ave na Ilha de Santa Catarina

11/08/2020 - 11h08 - Atualizada em: 11/08/2020 - 12h30

Compartilhe

Lariane
Por Lariane Cagnini
macuco
Ave foi flagrada na Ilha de SC
(Foto: )

A filmagem de um Macuco, passeando por uma área de Mata Atlântica em Florianópolis, é o único registro em imagem que se tem dessa ave na Ilha de Santa Catarina. O 'flagrante' é uma conquista importante para quem estuda a fauna e a flora da região, já que a ave é considerada vulnerável no Estado, e quase ameçada no critério internacional de classificação de espécies.

Confira cinco animais encantadores já avistados em Santa Catarina

Raro de se ver nos dias atuais, o Macuco foi bastante caçado em décadas anteriores, o que contribuiu para que a ave quase desaparecesse. Ele é um animal silvestre, e sua caça é proibida no Brasil.

O coordenador da avifauna do projeto Fauna Floripa, Guilherme Brito, explica que além da pressão da caça, a destruição do habitat do Macuco é outra ameaça importante. Isso porque ele é uma ave que voa pouco, e se alimenta de frutos, sementes e bagas que caem das árvores.

- Esses bichos são dependentes desse tipo de ambiente, é uma espécie indicadora. Ao entrar na mata e encontrar o Macuco, é um indicativo de que aquele ambiente está bastante saudável, pois sustante a população de um bicho que precisa de certos parâmetros para viver ali - explica Brito.

O Macuco não passa de 1,8 kg, e pode viver de 12 a 15 anos em cativeiro. Eles são endêmicos da América do Sul, e na natureza, não há indicativo de quanto tempo eles vivem. Os ovos são azul celeste, e ele faz parte da família Tinamidae. 

A ave registrada pelas armadilhas fotográficas do Projeto Fauna Flora é adulta, e foi filmada em novembro do ano passado. A expectativa do professor adjunto do Departamento de Ecologia e Zoologia da UFSC, e dos demais pesquisadores, é que outros animais da mesma espécie possam ser flagrados ao longo da pesquisa.

Serpentes são resgatadas de cativeiro ilegal em bairro de Joinville

- Foi incrível, a gente imaginava que iria ter registros diferentes. As câmeras aumentam o esforço amostral do projeto. Também registramos um falcão florestal, que é comum no continente, mas raro na Ilha - destaca o especialista em aves.

O último registro sobre a avistagem do Macuco na Ilha foi de um livro publicado em 2000, e que trazia relatos, mas sem imagens. Como a ave pia bastante e tem uma vocalização bem característica, a intenção é instalar gravadores para tentar captar o som do Macuco em diferentes pontos da Ilha, em busca de mais representantes da espécie.

Escorpião mais perigoso da América Latina é encontrado em 18 bairros de Joinville

Armadilhas fotográficas auxiliam na pesquisa

Em dez meses de monitoramento, o Fauna Floripa já registrou dezenas de animais silvestres como o cachorro-do-mato, gavião-pombo-pequeno, gambás, macacos prego, rãs e pacas em área de Mata Atlântica, que compõe grande parte do território de Florianópolis.

O Projeto Fauna Floripa é composto pela Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram), Instituto do Meio Ambiente (IMA) e Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O Macuco foi flagrado pelas armadilhas fotográficas em novembro do ano passado, mas a informação foi divulgada recentemente pelos pesquisadores.

Casa mais procurada no mundo por usuários do Airbnb é de Santa Catarina

Conforme o grupo de pesquisadores, as armadilhas fotográficas contribuem para a elaboração de estratégias de conservação a longo prazo, como a possibilidade da reintrodução da fauna nativa em algumas regiões.

Colunistas