nsc
    dc

    Operação Seival 2

    Empresários, servidores e agentes políticos de Laguna são alvo de investigação sobre fraude e corrupção

    Foram autorizados 120 mandados de busca e apreensão, além de mandados de prisões preventivas, temporárias e de sequestro de bens

    24/09/2020 - 07h55 - Atualizada em: 24/09/2020 - 12h39

    Compartilhe

    Lariane
    Por Lariane Cagnini
    civil
    Operação cumpre mandados em nove cidades de SC
    (Foto: )

    Um grupo investigado por fraude a licitação, corrupção ativa e passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e peculato foi alvo de operação na manhã desta quinta-feira (24). A força-tarefa da Polícia Civil e do Ministério Público de Santa Catarina cumpre 120 mandados de busca e apreensão em Laguna e outras oito cidades, além de cinco mandados de prisão preventiva e quatro de prisão temporária.

    Saiba como receber notícias do NSC Total no WhatsApp

    As autorizações judiciais também são cumpridas em Florianópolis, Navegantes, Itajaí, Tubarão, Criciúma, Imbituba, Imaruí e Capivari de Baixo. 

    A Justiça também liberou 10 medidas de proibição de acesso à Câmara de Vereadores de Laguna, duas medidas de afastamento da função pública e oito medidas cautelares de sequestro de bens, entre elas a apreensão de uma embarcação pesqueira.

    Mapa de risco para coronavírus mostra SC sem regiões em nível gravíssimo pela 1ª vez em 3 meses

    A operação Seival 2 investiga crimes praticados em Laguna e no Instituto de Previdência do Estado de Santa Catarina (IPREV) por empresários, servidores públicos e agentes políticos dos poderes Executivo e Legislativo. A primeira fase da operação foi em 2017, e um vereador preso na época teve o mandato cassado pela Câmara de Laguna um ano depois.

    A operação deflagrada nesta quinta apura a atuação de novos integrantes do grupo que possuem estreita ligação com as pessoas inicialmente investigadas pela Polícia Civil e denunciadas pelo MPSC. Uma espécie de "loteamento" das secretarias municipais, por meio de indicações políticas, e o recebimento de propina, são investigados.

    Igrejas vão poder abrir com capacidade máxima em SC nas regiões em situação menos grave

    Segundo a Polícia Civil, contratos firmados pela prefeitura de Laguna com empresários que há anos prestam serviço na cidade, com indicativos de superfaturamento e inexecução das obras e serviços licitados, e fraudes a licitação no IPREV no ano de 2016, também estão na mira da força-tarefa.

    IPREV diz que irá colaborar com investigação

    O nome do IPREV, que aparece na Operação desta quinta, é relacionado a três obras de reforma nos imóveis das agências, em diferentes municípios, com as empreiteiras citadas na investigação.

    Eleições 2020: data, prazos e regras do calendário eleitoral

    A Polícia Civil esteve na sede do IPREV, em Florianópolis, para recolher as pastas com o histórico destes contratos relativos às obras de reforma, confirmou o presidente Marcelo Panosso Mendonça.

    - Agora o papel da investigação é apurar se existiu algum favorecimento nesses casos e, no que toca ao IPREV, vamos colaborar com toda e qualquer informação - disse em nota.

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas