Saber controlar as próprias emoções é uma habilidade que as empresas requerem tanto quanto cursos profissionalizantes e de idiomas. Isso porque a inteligência emocional influencia diretamente no comportamento no ambiente de trabalho e na produtividade do profissional.

Continua depois da publicidade

> Clique aqui e receba notícias no WhatsApp

As empresas também podem ajudar colaboradores, líderes e gestores a desenvolver a inteligência emocional, tendo em vista que ela impacta diretamente no crescimento pessoal e motivacional do profissional.

O que é inteligência emocional?

Segundo a especialista em estratégia de carreira Rebeca Toyama, a inteligência emocional é a forma como processamos e integramos nossos pensamentos e sentimentos, bem como o modo que nos relacionamos com os outros e com nós mesmos.

> Confira as 10 mentiras mais contadas nos currículos

Continua depois da publicidade

Os 5 pilares da inteligência emocional

Popularizado por meio de Daniel Goleman, pesquisador e autor de diversos livros, a inteligência emocional se sustenta em cinco pilares:

  1. Conhecer as próprias emoções;
  2. Controlar as emoções;
  3. Automotivação;
  4. Empatia;
  5. Saber se relacionar interpessoalmente.

A especialista em estratégia de carreira Rebeca Toyama explica que para atingir a inteligência emocional é preciso passar por todas as etapas elencadas por Goleman. “Como observamos [no esquema de Goleman], não há atalhos para a automotivação, é necessário aprendermos todos os passos para ter a conduta que nos levará onde queremos chegar”, ressalta.

> Dicas para se dar bem no primeiro dia de emprego

A importância da inteligência emocional
Inteligência emocional e inteligência racional (Foto: Shutterstock)

Por que a inteligência emocional é importante?

No ambiente profissional, os trabalhadores convivem com pessoas diferentes e passam por pressões que exigem inteligência emocional para controlar os impulsos. Logo, pessoas que conseguem gerenciar as próprias emoções e manter a calma se destacam das demais.

Continua depois da publicidade

Inclusive, são profissionais que conseguem gerenciar conflitos, se adaptam melhor às mudanças, trabalham bem em equipe e se concentram melhor no trabalho, refletindo na produtividade e na qualidade.

> Entrevista: como falar dos seus pontos fracos

Inteligência racional também é fundamental

Rebeca Toyama explica que a inteligência emocional não deve ser vista como algo oposto à inteligência racional. Isso porque ambas são complementares e trabalham juntas para que o profissional seja inovador, criativo e bem-sucedido em suas ações, diferente daquele que vive estressado e age por impulso.

“Em um mundo caracterizado pela mudança persistente e intensa, as instituições que possuem muitos líderes com alta inteligência emocional serão mais criativas e estarão mais bem equipadas para serem mais ágeis e resilientes – uma característica essencial para lidar com as rupturas”, acrescenta a especialista em estratégia de carreira.

> Veja dicas de como pedir um aumento salarial

Como aplicar a inteligência emocional no trabalho?

Um dos métodos para promover a inteligência emocional no trabalho, segundo Rebeca Toyama, é proporcionar aos colaboradores um espaço seguro para que eles possam falar sobre suas emoções e necessidades, criando um ambiente colaborativo e mais empático. Dessa forma, possibilitando que o profissional possa seguir a linha elaborada por Daniel Goleman.

Continua depois da publicidade

“Vale lembrar que fugir de conflitos não desenvolve a inteligência emocional. Portanto, orientar que líderes dediquem algum tempo para entender a visão de mundo de seus colaboradores contribuirá para que diferenças sejam entendidas como complemento, e não divergência”, sugere a especialista.

> Dicas para evitar gafes em reuniões de trabalho

Como a empresa pode ajudar a desenvolver inteligência emocional?

Como desenvolver a inteligência emocional
Desenvolvendo a inteligência emocional no ambiente corporativo (Foto: Shutterstock)

A inteligência emocional é uma característica que ganha cada vez mais espaço no mercado de trabalho. Não é à toa que é uma das principais habilidades apontadas no relatório ‘Futuro do Trabalho’ do Fórum Econômico Mundial (FEM). Inclusive, aparece em 15º lugar dentre as habilidades em alta até 2025.

> Semana de trabalho com 4 dias tem ganhado espaço em empresas

Segundo Rebeca Toyama, a habilidade pode ser desenvolvida pelas empresas por meio de treinamentos, além da aplicação de atividades, como clima organizacional, satisfação do cliente e engajamento do time. Além disso, a especialista em estratégia de carreira completa afirmando que “lidar com as próprias emoções e com a de sua equipe, deve fazer parte da qualificação de todos os colaboradores, principalmente, dos líderes e gestores”.

*Por Vitoria Rondon

Leia também

Saiba como acabar com a procrastinação

Currículo: veja como elaborar corretamente para conquistar a vaga desejada

Instagram: veja como criar conteúdo atrativo

Destaques do NSC Total