nsc
santa

Saúde

Entenda como e quem será atendido no ambulatório pós-Covid de Blumenau e região

Estrutura montada no Hospital da Furb pode receber pacientes de ao menos 16 municípios do Vale

25/08/2021 - 06h10 - Atualizada em: 25/08/2021 - 08h32

Compartilhe

Talita
Por Talita Catie
Atendimento no local será apenas com horário marcado pelo posto de saúde
Atendimento no local será apenas com horário marcado pelo posto de saúde
(Foto: )

Está programada para quinta-feira (26), às 14h, a abertura oficial do ambulatório para tratamento de pessoas com sequelas da Covid-19. A estrutura montada no Hospital Universitário da Furb, no bairro Fortaleza, em Blumenau, é fruto de uma parceria entre a universidade e o Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Vale do Itajaí (Cisamvi).

> Receba notícias do Vale do Itajaí pelo WhatsApp

O contrato prevê a disponibilidade de atendimento para 65 novos pacientes todos os meses ao longo de um ano. Essas vagas serão divididas entre 16 municípios da região, conforme a manifestação de interesse de cada prefeitura, que vai pagar de acordo com a quantidade de atendimentos solicitados. 

O serviço será ofertado gratuitamente aos pacientes, através do SUS, e os municípios vão pagar aproximadamente R$ 3 mil por pessoa à Furb para manutenção do ambulatório e dos profissionais.

O atendimento

Para ser atendido no local o paciente precisa apresentar ao menos três sequelas concomitantes. Aí então ele será encaminhado pela unidade básica de saúde ao ambulatório pós-Covid. O agendamento é feito pela própria equipe do posto e o paciente entra no chamado sistema de regulação, o Sisreg, em que médicos estabelecem a ordem de prioridade na fila.

Quando a pessoa tiver dia e hora marcados, ela será recebida e avaliada por uma equipe multidisciplinar, que fará o encaminhamento aos serviços necessários para restabelecer a saúde do paciente. As posteriores consultas de retorno devem ser todas centralizadas para um mesmo dia. A expectativa é que na central sejam executados 915 procedimentos mensais.

— A proposta do ambulatório é otimizar a recuperação desses pacientes. Imagine ele precisar tratar com três profissionais ou mais em locais diferentes e que não conversam entre si. Aqui teremos um espaço para esse diálogo entre a equipe, para definir o melhor protocolo para cada um. A meta é em quatro meses devolver esse paciente saudável. Não queremos cuidar de doença e sim da pessoa — explica o professor da Furb, Edson Luiz Borges.

Equipe disponível no local

  • Enfermagem
  • Psicologia
  • Nutrição
  • Fisioterapia
  • Odontologia
  • Educação Física
  • Serviço Social
  • Farmácia
  • Clínica Médica
  • Pneumologia
  • Cardiologia
  • Nefrologia
  • Neurologia
  • Endocrinologia
  • Gastroenterologia
  • Psiquiatria.

Diversas especialidades médicas foram reunidas no local para agilizar atendimento
Diversas especialidades médicas foram reunidas no local para agilizar atendimento
(Foto: )

Caso seja identificada a necessidade de exames laboratoriais, os pacientes poderão fazê-los dentro do próprio Hospital Universitário da Furb. Uma parceria entre a universidade e o Consórcio de Saúde deve permitir, em breve, que exames de imagem também sejam feitos no local, como Raio-X e tomografia.

Nesta quinta-feira (26) quando o ambulatório abrir as portas vai receber pacientes de Blumenau e Botuverá, pois são as duas primeiras prefeituras a comprarem vagas para atendimento no local. Pomerode já solicitou vagas e deve começar a enviar moradores em breve. Confira abaixo a lista de cidades que podem comprar vagas para garantir atendimento de pacientes no ambulatório da Furb:

  • Apiúna
  • Ascurra
  • Benedito Novo
  • Blumenau
  • Botuverá
  • Brusque
  • Doutor Pedrinho
  • Gaspar
  • Guabiruba
  • Indaial
  • Ilhota
  • Luiz Alves
  • Pomerode
  • Rio dos Cedros
  • Rodeio
  • Timbó

Você também pode querer ler

Pode beber depois de tomar a vacina da Covid-19?

Efeitos colaterais da vacina contra Covid-19

Combinação de vacinas contra a Covid-19: tudo que você precisa saber

Vacina da Covid-19 aumenta a pressão arterial?

Dor nas costas após Covid-19 é grave? Entenda a sequela

Colunistas