nsc
hora_de_sc

Coronavírus

Escolas registraram mais da metade dos surtos de Covid em Florianópolis

Episódios representam 63 dos 112 surtos de Covid verificados pela Vigilância Epidemiológica

06/07/2022 - 19h14 - Atualizada em: 07/07/2022 - 10h45

Compartilhe

Paulo
Por Paulo Batistella
Capital ainda tem sete surtos ativos entre os já identificados
Capital ainda tem sete surtos ativos entre os já identificados
(Foto: )

Florianópolis registrou 63 surtos de Covid-19 em escolas ao longo deste ano, com sete deles ainda ativos. Os episódios em salas de aula envolveram 351 casos da doença. As ocorrências nas escolas representam 56,25% dos 112 surtos de Covid investigados pela Gerência de Vigilância Epidemiológica (GVE) na cidade ao longo do período.

Receba notícias de Santa Catarina por WhatsApp

Os surtos nas escolas indicam como a educação tem sido negligenciada por governos no combate à doença, segundo aponta recente estudo da Rede de Pesquisa Solidária.

A pesquisa aborda como as escolas foram atingidas e pondera sobre políticas públicas adotadas em resposta à pandemia em todo o país. Porém, ao tratar de surtos, cita apenas dados de Florianópolis e do Rio de Janeiro, o que já sinaliza parte do problema. A rede diz que não há registros a nível federal que tratem de surtos nas escolas. Isso depende de iniciativas isoladas, o que compromete a busca por soluções.

Em um mês, sobe 87% número de mortes por Covid em SC; baixa vacinação e frio explicam alta

"São poucos os municípios que têm sido proativos neste sentido e possuem um retrato desse cenário", escreve a Rede de Pesquisa Solidária, criada por pesquisadores ao longo da pandemia para investigar as iniciativas de governos em resposta ao novo coronavírus.

Na altura em que a pesquisa foi feita, Florianópolis registrava 56 surtos de Covid nas escolas, também equivalente a 56% do total, de 18 de fevereiro ao último dia 24. Entre eles, 66% eram da rede privada, 30,4% da municipal e outros 3,6%, da estadual. O grupo de pesquisadores diz que os números contrastam com as políticas adotadas.

"Mesmo as escolas sendo responsáveis pela maior parte dos surtos registrados, medidas simples e eficazes, como o uso de máscara, que foi desobrigado, e a ventilação e o monitoramento da qualidade do ar, são praticamente inexistentes, como camadas de proteção", diz o estudo, que cita o baixo índice de vacinação como outro agravante.

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que apenas 41% das crianças de cinco a 11 anos em Florianópolis têm o esquema vacinal primário contra a Covid completo. Entre adolescentes, de 12 a 17 anos, esse índice está em 71%.

Já a gerente de Vigilância Epidemiológica no município, Ana Vidor, reconheceu, por meio da assessoria da SMS, que a desobrigação do uso de máscaras pode facilitar a ocorrência de surtos. A reportagem questionou por qual motivo então a gestão municipal não retomou o uso obrigatório ao menos nas escolas, mas não teve resposta. 

A Rede de Pesquisa Solidária aponta ainda que a resposta à Covid nas escolas lida ao longo da pandemia com falta de coordenação do governo federal e de investimentos adequados, o que agrava desigualdades entre alunos.

Novos sintomas da Covid-19 são descobertos e diagnosticados

Pouca articulação entre secretarias de Saúde e Educação

O grupo de pesquisa também diz que existe pouca articulação entre secretarias de Saúde e Educação até para elaborar protocolos nas escolas, o que acirra a crise.

Em Florianópolis, os surtos de Covid também tiveram números expressivos em asilos, também chamados de Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs), com 31 episódios, e unidades de saúde, com oito ocorrências. Todos esses estabelecimentos, assim como escolas, têm a obrigação de comunicar a GVE sobre suspeitas de surtos.

Já outros espaços não têm esse dever, tendo episódios apurados apenas a partir de denúncias ou de informações do próprio investigado, o que torna eles mais passíveis de terem registros oficiais que não condizem com a realidade.

Entre os surtos já identificados, não há nenhum em empresas, por exemplo. Abrigos e órgãos públicos tiveram seis e um, respectivamente. Já uma categoria da GVE que envolve outros estabelecimentos, sem definição mais específica, somou três episódios.

Leia mais

Relatos de maus-tratos em creche de SC vão de chantagem a cobertor para abafar choro

Colunistas