nsc
    dc

    Situação das UTIs

    Estado repassa sedativos usados na intubação para 39 hospitais de SC

    Falta de medicamentos anestésicos usados em pacientes com o coronavírus nas UTIs tem sido um dos problemas em SC

    06/08/2020 - 14h13

    Compartilhe

    Lucas
    Por Lucas Paraizo
    UTI coronavírus
    Segundo o governo de SC, estoque é suficiente para aproximadamente 10 dias
    (Foto: )

    O governo de Santa Catarina iniciou nesta quinta-feira (6) um repasse de medicantos usados na intubação de pacientes com covid-19 para 39 hospitais do Estado. São os chamados "kit intubação", compostos por sedativos que, nas últimas semanas, estiveram em falta em várias unidades de saúde.

    > ​Confira dados atualizados por cidade no Painel do Coronavírus

    Conforme a Secretaria de Estado da Saúde (SES), a distribuição foi definida com base nos dados apresentados pelos hospitais sobre o estoque atual. Ao todo, o Estado recebeu do Ministério da Saúde um lote com 30.450 ampolas de Fentanil 10 mL, 23.400 ampolas de Rocurônio 5mL, e 38.650 ampolas de Atracúrio 2,5ml. Os três medicamentos são utilizados nas UTIs.

    Em uma nota informativa, a SES explica que inicialmente o Ministério da Saúde tinha feito um repasse no dia 18 de julho, mas que foi insuficiente. Outra distribuição ocorreu nos dias 23 e 24, e o governo priorizou unidades de saúde que estavam com estoques zerados.

    Segundo a SES, a distribuição desta quinta vai garantir estoque para pelo menos 10 dias de consumo. No entanto, alguns hospitais informaram que os medicamentos devem acabar antes disso. É o caso do Hospital Bethesda, de Joinville, que já admitiu que o repasse deve durar cerca de três dias.

    A falta de sedativos para intubação tem sido um problema nos hospitais de Santa Catarina desde o início de julho. O caso foi parar na Justiça, inicialmente com uma liminar que obrigava o governo a fornecer os medicamentos - mas que acabou negada. Depois, o governo precisou informar ao Ministério Público um plano de regularização dos estoques. Uma das medidas encontradas para economizar os medicamentos foi ampliar até o fim de agosto a suspensão de cirurgias eletivas que precisam de anestesia geral.

    Para a intubação de pacientes infectados pelo coronavírus em situação grave, os sedativos são utilizados durante o procedimento invasivo, que é doloroso. Na falta do medicamento, alguns hospitais têm usado morfina como substituto, o que não é recomendado pois pode trazer efeitos adversos. Além dos sedativos, também são usados bloqueadores neuromusculares. O medicamento facilita o procedimento de intubação e reduz o tempo em que o paciente fica sem oxigenar.

    Colunistas