nsc
dc

Tragédia

“Eu cheguei a gritar, mas ele não respondeu”, diz amigo de alpinista que morreu em SC

Lucas, de 39 anos, era empresário e foi atingido na cabeça por uma pedra que despencou do cânion

12/10/2020 - 14h07 - Atualizada em: 12/10/2020 - 14h12

Compartilhe

Jean
Por Jean Laurindo
Lucas, de 39 anos, era empresário e foi atingido na cabeça por uma pedra que se soltou do cânion
Lucas, de 39 anos, era empresário e foi atingido na cabeça por uma pedra que despencou do cânion
(Foto: )

O alpinista que morreu após o deslizamento de uma pedra em um paredão do Cânion Espraiado, em Urubici, na Serra catarinense, era um atleta experiente em esporte de aventura.

Lucas de Zorzi, 39 anos, era diretor de uma empresa de equipamentos para indústria madeireira, mas conciliava a atividade com a paixão por atividades como escalada, snowboard, paraquedismo e wingsuit – modalidade em que paraquedistas utilizam um macacão com asas aerodinâmicas para voos de alta performance. As informações são do G1 SC.

> Quer receber notícias por WhatsApp? Inscreva-se aqui

A escalada deste domingo buscava atingir o topo do cânion para, de lá, fazer um salto de wingsuit. O amigo Diego Braga, 31 anos, que estava com Lucas no momento do acidente durante a escalada, conta que uma pedra escondida em meio à vegetação despencou. Os dois acabaram ficando presos a uma altura de 200 metros.

Diego, que estava à frente na escalada, sofreu ferimentos leves, mas Lucas foi atingido na cabeça e imediatamente ficou desacordado. Ele chegou a ser encaminhado a um hospital, mas não resistiu.

— Eu cheguei a gritar, mas ele não respondeu. Aí ali eu já vi o que poderia ter acontecido [...] A gente sabe dos riscos que tem o esporte – afirmou ao portal G1 SC.

A operação de resgate iniciou cerca de 20 minutos após o acidente, mas foi marcada pelo alto grau de dificuldade e durou cerca de seis horas. Diego conta que a vegetação impedia que ambos se vissem no local do acidente. Ele também não conseguia se deslocar porque a corda estava esticada. 

> A nova data para a entrega da iluminação decorativa da ponte Hercílio Luz

— A gente se sente impotente, vê que o amigo estava mal e eu não conseguia ajudar – aponta.

O fato de o acidente ter ocorrido em área de difícil acesso fez com que os socorristas da PM precisassem fazer o lançamento de um tripulante por meio de descida de rapel, amarração, imobilização da vítima, que depois foi içada para a aeronave por cordas. Após fazer o resgate de Lucas, o helicóptero retornou ao local do acidente para buscar o segundo alpinista, que estava com ferimentos leves na área de vegetação.

Operação de resgate durou cerca de seis horas
Operação de resgate durou cerca de seis horas
(Foto: )

Os dois amigos já haviam ido até o local um mês atrás, para estudar o percurso que precisariam fazer na escalada. Diego lembra que Lucas o convidava para escaladas e trilhas aos fins de semana e que sempre o incentivava.

> Como é o passeio de balão pelo Vale do Itajaí; veja o vídeo

Ele foi campeão brasileiro de Wingsuit Artístico nos anos de 2015, 2016 e 2017, além de recordista Sul e Latino Americano da modalidade.

Clube de esportistas e empresa lamentam morte 

O clube de Wingsuit em que Lucas era instrutor lamentou a morte do amigo e disse que ele era um dos melhores praticantes da modalidade.

“Um amigo incrível, pai e marido dedicado, que na qualidade de atleta estava entre os melhores do esporte”, afirma a instituição, em um trecho da nota publicada nas redes sociais ainda na noite de domingo.

A empresa em que Lucas era diretor também prestou homenagem ao esportista. “O falecimento prematuro interrompe tragicamente uma trajetória marcada pelo espírito aventureiro, por vitórias e conquistas, deixando um grande legado de empreendedorismo e dedicação”, afirmou, em um comunicado.

Lucas deixa mulher e um filho. O velório será até a tarde desta segunda-feira (12), no Cemitério Parque da Saudade, em Lages.

Leia também:

Motociclista morre em acidente na Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis

Filhotes de Toninha são encontrados mortos na praia da Joaquina, em Florianópolis

Após matar o próprio pai e ferir irmã grávida com facadas, homem é preso no Oeste de SC

Cassino clandestino é fechado pela polícia em Blumenau

Colunistas