A declaração da Organização Mundial de Saúde (OMS), na manhã desta sexta-feira (5), de que a Covid-19 não é mais uma Emergência de Saúde Pública de Importância Internacional (ESPII ou PHEIC, na sigla em inglês), causou confusão em muitas pessoas. Ao contrário do que pode se pensar, o anúncio não representa o fim do status de pandemia — ainda.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Santa Catarina pelo WhatsApp 

Mas porque decretar o fim da ESPII? Declarada pela OMS no final de janeiro de 2020, esse é o mais alto título de alerta sanitário da organização, e possui grande importância para a colaboração de esforços na saúde pública mundial. Ou seja, a decisão de acabar com a emergência significa que a colaboração internacional e os esforços de financiamento também serão encerrados ou mudarão de foco.

Margareth Dalcolmo, presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia, explicou em entrevista à GloboNews que, do ponto de vista prático, o decreto é apenas formal e não muda muita coisa. No entanto, ela espera que a decisão da OMS não afete medidas que facilitam o acesso aos insumos, vacinas e outros procedimentos, principalmente por países mais pobres.

– Espero que isso (o fim da emergência) não implique em uma dificuldade de acesso às vacinas e todos os procedimentos que são necessários. É preciso reconhecer que a transmissão epidêmica está controlada, com altas coberturas vacinais que conseguimos. Mas isso implica que medidas sanitárias, coletivas e individuais sejam mantidas – explicou Dalcolmo.

Continua depois da publicidade

Covid-19 não é mais uma emergência de Saúde Pública, diz OMS

Apesar da transmissão epidêmica controlada e altas coberturas vacinais citadas por Dalcolmo, a OMS não quer deixar cair no esquecimento a letalidade da Covid-19, que deixou ao menos 7 milhões de vítimas no mundo, fora a subnotificação. Pesquisas estimam que esse número, na verdade, pode chegar aos 20 milhões de óbitos. Em Santa Catarina, mais de 2 milhões de casos foram confirmados, com 22.778 mortes em decorrência da doença.

O Diretor-Geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou durante o anúncio que “a pior coisa que qualquer país pode fazer agora é usar esta notícia como motivo para baixar a guarda, desmantelar os sistemas de saúde que construiu ou enviar a mensagem ao seu povo de que a covid não é motivo de preocupação”.

E o status de pandemia?

A classificação de “pandemia” é diferente e faz referência a disseminação mundial de uma nova doença, quando vários continentes têm uma transmissão sustentada do surto.

OMS decide manter classificação da Covid-19 como pandemia

Para a entidade, essa ainda é uma realidade no cenário da saúde mundial, e por isso o status de pandemia está mantido. A decisão leva em conta que a doença causada pelo vírus Sars-Cov-2 ainda se mantém em disseminação global e afeta vários continentes, com um impacto relevante no número de mortes e hospitalizações. Na semana passada, a doença matou uma pessoa a cada três minutos no mundo.

Continua depois da publicidade

Por conta dessas ainda relevantes mortes de pessoas em diferentes países, Michael Ryan, diretor-executivo da OMS, chegou a reforçar que provavelmente “não haverá um ponto em que a OMS anunciará o fim da pandemia”.

Leia também

Texto repete afirmações falsas de médico dos EUA ao associar câncer e infertilidade às vacinas

Mulheres morrem por dengue em Joinville e cidade chega a 10 mortes pela doença no ano

Após filas na emergência, Saúde de SC abre 30 leitos pediátricos em Florianópolis

Destaques do NSC Total