nsc
    dc

    PMF

    Florianópolis ocupa o primeiro lugar entre as cidades com melhor saúde do país

    Capital desponta entre as cem maiores cidades brasileiras em atenção à saúde, de acordo com o estudo Desafios dos Municípios 2021

    26/04/2021 - 08h32

    Compartilhe

    Estúdio
    Por Estúdio NSC
    saúde
    Floripa é destaque nacional em ranking de saúde
    (Foto: )

    Florianópolis é a cidade com melhores índices de saúde do país do Brasil, é o que diz o levantamento Desafios dos Municípios 2021. O estudo analisa, anualmente, 15 indicadores que compõem o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) dos cem maiores municípios do país que, juntos, respondem por 39% da população brasileira. Entre os indicadores, a queda na taxa de mortalidade infantil (de 40% entre 2009 e 2019) foi um dos pontos de maior destaque positivo.

    >> Análise: as intenções de Daniela para finanças do Estado

    O número médio de consultas de pré-natal é um dos fatores que mais contribuem para essa queda: mães de 78% dos nascidos realizaram sete ou mais consultas para avaliar o desenvolvimento fetal. Os cuidados desde antes do nascimento são parte importante da atenção primária à saúde.

    Assim como as taxas de natalidade são animadoras, a queda no número de mortes prematuras por doenças crônicas não transmissíveis também foi a maior entre os municípios avaliados. Em 2019, foram registrados 249,6 óbitos por 100 mil habitantes entre 30 e 69 anos.

    Durante a pandemia, os cuidados de atenção básica se intensificaram. São dezenas de equipes de profissionais de saúde atuando na linha de frente de combate à Covid-19, realizando desde pré-consultas virtuais e exames até vacinação.

    Investimentos no setor

    A Secretaria Municipal de Saúde afirma que a boa colocação de Florianópolis no ranking Desafios dos Municípios 2021 deve-se, em grande parte, aos investimentos em pessoal, estrutura e insumos que o município tem feito para ampliar o atendimento e melhorar os serviços prestados à população. Nos últimos anos, importantes centros de saúde foram entregues, como o do bairro Abraão, no continente, e o dos Ingleses, no norte da Ilha. Ainda este ano, a população da região mais populosa da cidade contará com o Centro de Saúde do Capivari, cujas obras foram retomadas em março.

    Além da contratação de profissionais, as unidades de saúde da capital contam com uma logística de atendimento para que desde a marcação da consulta e/ou de exames até o fim do tratamento, tudo seja feito de maneira rápida (em até dez dias), integrada e eficiente.

    No último ano, a Prefeitura passou a disponibilizar quatro centros de testagem na cidade, onde são realizadas coletas do RT-PCR. Os centros de saúde do município também realizam o teste rápido para Covid-19. Com isso, o município alcançou a capacidade de até 1300 testes por dia.

    O Alô Saúde Floripa, serviço pioneiro no país de teleorientação e teleatendimento, completou um ano no último mês de março com a realização de mais de 140 mil atendimentos neste período.

    Para a Secretaria de Saúde, a ferramenta é um grande diferencial que contribui positivamente para os indicadores do ranking Desafios dos Municípios 2021. Neste um ano de funcionamento, o serviço contribuiu no combate à pandemia, permitindo que a população tirasse dúvidas sobre a Covid-19 e outras doenças, marcasse atendimentos médicos, realizasse teleconsultas, recebesse orientação sobre calendário de vacinação e, ainda, verificasse e atualizasse seu cadastro no Sistema Único de Saúde (SUS).

    saúde
    Central telefônica para atendimentos do Alô Saúde Floripa
    (Foto: )

    O Alô Saúde Floripa está disponível 24 horas por dia, inclusive aos fins de semana e feriados, pela Central Telefônica (0800-333-3233) – com ligações ilimitadas e gratuitas –; pelo site; e pelo aplicativo disponível nas plataformas IOS e Android, que permite aos usuários realizarem videochamadas com equipes de saúde, conversar por chat ou WhatsApp, conferir notícias e outras informações.

    LEIA TAMBÉM

    Empresário se recupera da Covid: “A chance que poucos tiveram"

    Suco de caixinha: os riscos do consumo de bebidas açucaradas

    Colunistas