O Tribunal de Justiça condenou 17 pessoas por adulterar leite na região de Chapecó. O crime foi descoberto na Operação Leite Adulterado 3, realizada em 2014 pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do município. O Ministério Público denunciou 24 suspeitos, dos quais 17 foram condenados a mais de 145 anos de prisão e pagamento de multa.

Continua depois da publicidade

Receba notícias do DC via Telegram

Entre os envolvidos estão representantes de quatro laticínios, duas cooperativas, uma transportadora e uma empresa comercializadora de produtos químicos, além dos colaboradores dessas empresas e de cooperativas. 

Eles foram condenados pelos crimes de falsidade ideológica por adulteração de documentos; vender, ter em depósito para vender ou expor à venda ou, de qualquer forma, entregar matéria-prima ou mercadoria em condições impróprias ao consumo; e corromper, adulterar, falsificar ou alterar substância ou produto alimentício destinado a consumo, tornando-o nocivo à saúde ou reduzindo-lhe o valor nutritivo.

Por adulteração no leite, 16 pessoas de empresa de laticínios no Oeste de SC são condenadas pela Justiça

Continua depois da publicidade

As penas somam 145 anos, seis meses e cinco dias de prisão, além do pagamento de, no total, R$ 240 mil. Apenas dois deles tiveram as penas restritivas de liberdade substituídas por pagamento de um salário mínimo e prestação de serviço comunitário. Todos ainda podem recorrer em liberdade. 

Preço do leite ultrapassa o da gasolina

Soda cáustica e água oxigenada no leite

Durante a investigação, laudos comprovaram a presença de produtos químicos em leite. As substâncias eram adicionadas para manter a conservação e mascarar a má qualidade do produto, funcionando como estabilizante e neutralizante de acidez. 

A adição dos químicos era feita ilegalmente, para que o leite enviado a outros estados mantivesse suas propriedas até o destino final. Se o leite não era recebido, por perceberem a fraude ou por estar fora dos padrões, ele não era descartado. Os condenados o utilizavam na fabricação de queijo para evitar perdas e garantir os lucros. 

Famílias restringem consumo de leite e economista projeta cenário para os próximos meses

O peróxido de hidrogênio, comumente chamado de água oxigenada, era adicionado por ter efeito antibacteriano, disfarçando as más condições de produção, conservação e transporte do produto.

Continua depois da publicidade

Outro componente encontrado foi o citrato de sódio. Ele age na prolongação da vida útil do leite, mascarando possíveis problemas resultantes da má conservação do produto ou de adições de água e outros diluentes. 

O hidróxido de sódio, também conhecido como soda cáustica, é capaz de burlar a contagem de bacterias. Ele faz o leite fora dos padrões de qualidade aparentar estar em condições regulares. 

Leia também

Plano de saúde dos servidores de SC foi usado para corrupção milionária, dizem empresárias

Ampliação de leitos é aposta de candidatos de SC para amenizar crise na saúde

Fachin suspende decretos de Bolsonaro e restringe número de armas e munições

Destaques do NSC Total