As irmãs Sofia Albuquerck e Mayla Phoebe, que fizeram uma cirurgia de redesignação sexual em fevereiro de 2021, terão a trajetória retratada em uma série documental inédita produzida pela HBO Max e Discovery+. A estreia está marcada para esta quinta-feira (1°), quando a série fica disponível em ambas as plataformas.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp

As gêmeas foram as primeiras no mundo a participar juntas do procedimento, considerado um caso raro na medicina e feito, à época, no Hospital Santo Antônio, em Blumenau.

A série “Gêmeas Trans” acompanha a rotina das irmãs de 21 anos que, desde os 19, aproveitam uma nova vida. Mayla está em Buenos Aires, onde cursa medicina, enquanto Sofia reside em Franca, no interior de São Paulo, e estuda engenharia.

O que é a cirurgia de redesignação sexual feita por gêmeas em clínica de Blumenau

Continua depois da publicidade

Ao longo de seis episódios, o reality mostra o dia a dia das duas depois que se reencontram para curtir as férias, ver antigos amigos e encarar novos desafios. Conflitos familiares, escolhas, amor e novidades também completam o enredo da série.

Visibilidade trans: a luta de quem busca respeito e espaço em Santa Catarina

Com produção da Warner Bros, a obra está prevista para ser lançada em junho deste ano.

Relembre o caso

Em fevereiro de 2021, Mayla e Sofia foram operadas ao mesmo tempo por especialistas em cirurgia trans e feminização facial no Hospital Santo Antônio, em Blumenau. As gêmeas nasceram com o sexo biológico masculino e desde os 15 anos faziam tratamento hormonal com anticoncepcional. Na época, elas também colocaram prótese de silicone.

As duas viviam em Minas Gerais, mas vieram para Santa Catarina depois que conheceram a clínica especializada em transição sexual com sede no Estado desde 2015. O procedimento foi feito pelos médicos José Carlos Martins Junior e Cláudio Eduardo.

Leia também: Conheça as gêmeas que realizaram cirurgia de mudança de sexo em SC

As gêmeas ainda permaneceram em Blumenau após a cirurgia, que durou cerca de 4h40min. Na época, elas ficaram 14 dias internadas e, após a recuperação, retornaram para Minas Gerais. O caso chegou a repercutir internacionalmente.

Continua depois da publicidade

*Estagiária sob supervisão de Augusto Ittner

Leia também:

Transexual, ex-cantora Gospel Jotta A busca clínica de Blumenau para cirurgias

“Perfil conservador” de hotel em Blumenau provoca indiciamento inédito por transfobia em SC

Destaques do NSC Total