nsc
dc

Curiosidade

Hitler drogado: livro revela que ditador era viciado em cocaína, heroína e morfina

As aplicações eram feitas pelo médico particular do político

26/04/2022 - 08h07

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Hitler morreu em 30 de abril de 1945
Hitler morreu em 30 de abril de 1945
(Foto: )

Um livro sobre Adolf Hitler e o Terceiro Reich, escrito na Alemanha e traduzido recentemente para diferentes idiomas, revelou um vício ainda desconhecido sobre o alemão: drogas injetáveis. As informações são do g1.

> Receba as principais informações de Santa Catarina pelo WhatsApp

Segundo a leitura, Hitler era viciado em cocaína, heroína, morfina e metanfetamina. Todas aplicadas pelo seu médico particular, Theodore Morell. Documentos achados pelo autor, Norman Ohler, mostram que o político recebeu um total de 800 injeções durante um período de três anos.

- Um viciado consumado cujas veias estavam quase em colapso quando ele se retirou para o último de seus bunkers - escreveu Ohler.

O uso de drogas por Hitler teve três fases, segundo o que contou o autor à BBC. 

- A primeira ocorreu entre 1936 a 1941, quando Hitler tomava vitaminas e glicose. Em 1936, ele conhece Theodore Morell, que rapidamente se tornou o médico pessoal dele e foi peça-chave no uso de drogas de Hitler - disse o autor.

- Ele disse: 'Posso dar-lhe injeções de vitaminas com as quais você se sentirá bem imediatamente e com as quais você nunca terá um resfriado. Hitler, portanto, vivia de injeções de vitaminas e glicose - continuou Ohler.

> Historiadores falam do ressurgimento do 'ideário nazista' no Brasil

A fase dois teve início no outono de 1941, quando a guerra contra a Rússia começou a dar errado.

- Hitler passou a tomar hormônios, esteróides e barbitúricos. Eles injetaram nele hormônios de animais, incluindo porcos, e pareceu funcionar - conta.

A terceira, e última, fase ocorreu em 1943 - período em que Hitler passou a usar drogas mais pesadas.

- Em julho de 1943, [Hitler] teve um encontro decisivo com Mussolini, que queria deixar as Potências do Eixo. Hitler estava muito deprimido com isso - conta - Naquele dia, Morell [o médico] usou pela primeira vez uma droga chamada Eukodal, analgésico opióide semi-sintético, um primo farmacológico da heroína, mas que produzia um efeito eufórico muito mais potente - diz o autor.

> Número de grupos neonazistas em SC cresce 158% em 18 meses, diz pesquisadora

Para o historiador britânico Ian Kershaw, um dos maiores especialistas no assunto, as decisões de Hitler eram fora da realidade. 

- O que ele estava fazendo era se afastar da realidade em momentos em que deveria ter percebido o quão ilusórias e irracionais eram suas ideias de vencer o mundo inteiro - disse.

Pervitin

A droga distribuída pelos nazistas às forças armadas, chamada de Pervitin e fabricada na Alemanha em 1937, era considerada um "composto mágico" pelos alemães e usada para melhorar a confiança e o desempenho dos soldados.

> Neonazista condenado na Alemanha publica vídeos sobre cidades de Santa Catarina

No livro, Ohler fala sobre uma carta enviada da linha de frente na guerra por Heinrich Boll a seus pais, na qual implora que lhe enviem Pervitin, que seria a única arma com a qual poderia combater seu principal inimigo: o sono.

Leia também

Arma de Milton Ribeiro dispara acidentalmente no Aeroporto de Brasília

UFSC escolhe novo reitor em meio a acordo inédito contra interferência de Bolsonaro

Pedágio subsidiado é alternativa para obras atrasadas em SC

Colunistas