nsc
dc

Latrocínio

Homem que matou e roubou professor em SC queria dinheiro para voltar ao RS, diz polícia

Investigado é natural de Porto Alegre, capital gaúcha, e feriu a vítima com facadas no pescoço

28/04/2021 - 16h33 - Atualizada em: 28/04/2021 - 16h44

Compartilhe

Clarissa
Por Clarissa Battistella
Suspeito acumula passagens pela polícia no RS e em SC
Suspeito acumula passagens pela polícia no RS e em SC
(Foto: )

Investigado pelo latrocínio de um professor de 66 anos em Cocal do Sul, no Sul catarinense, um homem foi preso temporariamente nesta quarta-feira (28), pela Polícia Civil, na mesma cidade do crime. Natural de Porto Alegre, capital gaúcha, o suspeito alegou à polícia que após o assassinato roubou objetos da casa da vítima, para "levantar dinheiro" para voltar ao Rio Grande do Sul.

> Jovem cai de jet ski e desaparece em rio de Imbituba; bombeiros fazem a busca com mergulhadores

> Receba as principais notícias de Santa Catarina no WhatsApp

Responsável pela investigação, o delegado Ulisses Gabriel disse que Helio Antonio Pizzolo foi encontrado morto dentro de casa e com um corte no pescoço no dia 14 de abril. O óbito, no entanto, aconteceu entre os dias 10 e 12 do mesmo mês, conforme apontou laudo pericial. A moradia onde ocorreu o assassinato estava revirada e faltam objetos da residência, especialmente eletrônicos, o que levantou a hipótese de latrocínio.

- Não havia portas arrombadas e, de acordo com a foto da mesa da cozinha, pelo menos duas pessoas estiveram sentadas conversando e se alimentando no local, indicativo de que a vítima conhecia o agressor e nele confiava - informou Ulisses.

A polícia, então, procurou imagens de câmeras de monitoramento das proximidades, que flagraram as movimentações dos envolvidos. Segundo as gravações, no dia 10 de abril, possivelmente data do assassinato, a vítima e o suposto autor se encontraram durante a manhã. Ainda, conforme as imagens, o suspeito entrou na casa da vítima na mesma data, por volta de 19h47min e saiu exatamente uma hora depois.

> Enquete BBB 21: quem sai no paredão entre Camilla, Gil e Pocah?

Natural do Rio Grande do Sul, o homem identificado pelas imagens possui extensa ficha policial no estado gaúcho, com passagens por roubos, inclusive com lesão corporal grave, furtos, demais lesões, homicídio, formação de quadrilha e outros crimes de menor gravidade. Já em Santa Catarina, o suspeito também acumulava antecedentes por crimes de ameaça, estelionato, lesões corporais e furtos.

Além da vasta lista de passagens pela polícia em ambos os estados, a polícia também descobriu que o suspeito tinha vendido o micro-ondas do professor para um morador da Cocal do Sul ainda no dia 10 de abril. Ao comprador, o homem disse que tinha recebido o eletrônico como pagamento por um serviço prestado. 

>Homem que assassinou a filha e esfaqueou familiares é indiciado

>Polícia apreende carga de soja que foi desviada da rota em SC

- Importante citar que quando foi no dia 15, indagado por populares sobre a morte do professor Helio, o suspeito ficou branco e pálido, sendo que depois evadiu-se, não fazendo contato com mais ninguém - salientou o delegado. 

Com todas as informações, no dia 21 de abril foi solicitada prisão temporária do suspeito, localizado e ouvido pela polícia nesta quarta-feira:

- Em interrogatório, ele disse que havia sido contratado por Helio para fazer serviços na residência, estipulando um valor e o prazo para conclusão do serviço de 7 dias. Ele terminou antes, cobrou o valor e Helio disse que não iria pagar o valor total. Segundo D., Helio disse para ele sair da casa em cinco segundos, caso contrário não iria mais sair.

Segundo versão do investigado, o professor teria acertado uma facada em sua mão, momento em que começaram uma briga e a vítima foi atingida no pescoço com facadas. Os objetos foram levados da casa posteriormente, para "levantar dinheiro para voltar ao RS", conforme depoimento do autor. O inquérito está em fase de conclusão e a polícia vai pedir a preventiva do bandido.

Leia também

Aumento no Bolsa Família? Bolsonaro diz que vai reajustar valor do benefício até setembro

Colunistas